Depois de horas de entrevistas junto a economistas e historiadores, a Time descobriu quem são – ou foram – as dez pessoas mais ricas de todos os tempos. Uma tarefa difícil, já que muitos dados económicos utilizados hoje não eram calculados antigamente. Mas ainda assim, a revista conseguiu converter os valores de antes para os referenciais de hoje. Eis o que descobriu.

A pessoa mais rica de todos os tempos foi Mansa Musa, o rei do Timbuktu, que viveu no Mali entre 1280 e 1337 e cujo património é descrito pela revista como sendo “mais rico do que qualquer pode descrever”. Tanto dinheiro vinha da produção de ouro que Musa liderava no reino do ocidente africano e são várias as histórias insólitas em redor do rei. Uns dizem que, durante uma peregrinação ao Egito, levou o país à crise. Outros contam que utilizava dezenas de camelos quando visitava Meca só para carregarem o ouro para oferendas. E ainda há histórias que garantem que a força militar do país tinha 200 mil homens e 40 mil arqueiros.

Entre os multimilionários vivos, Bill Gates é o mais rico de todos e ocupa o penúltimo lugar desta lista graças aos 78,9 mil milhões de euros da conta bancária do criador da Microsoft (a segunda pessoa viva mais rica do mundo é Amancio Ortega, co-fundador da Zara, que tem menos 8 mil milhões que o americano e não cabe neste top 10).

A meio da tabela surge Estaline, o ditador soviético que viveu entre 1878 e 1953 e cuja riqueza estava no poder que detinha: tinha completo controlo de uma nação que significava 9,6% do PIB global. A bem dizer, este dinheiro não pertencia verdadeiramente a Estaline, mas ele podia movimentá-lo conforme a sua vontade.

A última pessoa a constar da lista é Genghis Khan – e nem sequer tinha muito dinheiro no bolso. É considerado um dos líderes militares com mais sucesso de sempre. Esteve à frente do Império da Mongólia, que chegou a ser o maior império contíguo do mundo. Mas nem assim a soberba dominou a sua forma de liderança: embora dono de terrenos a perder de vista, Genghis Khan partilhava todos os bens com terceiros e isso era a chave para a popularidade do militar. Isto contribuiu para um melhor nível de vida da população, mesmo durante as conquistas de novos territórios: Genghis Khan ordenava sempre que se fizesse uma lista de bens do novo território e depois distribuía os bens por todos.