O Governo norte-americano prepara-se para anunciar, na segunda-feira, um plano para reduzir 32% das emissões de carbono das centrais termoelétricas em 2030, face aos níveis de 2005, noticiaram hoje os principais jornais do país.

A medida é a versão definitiva, e mais ambiciosa, do “Plano de Energia Limpa”, que o executivo do Presidente Barack Obama avançou há um ano, indicaram o Washington Post e o Wall Street Journal.

A norma então apresentada pela Agência de Proteção Ambiental estabelecia como meta o corte de 30% das emissões em 2030.

“As alterações climáticas não são um problema para outra geração. Já não são”, disse Obama, num vídeo divulgado hoje pela Casa Branca na sua página oficial da rede social Facebook.

O Presidente dos Estados Unidos adiantou, sem especificar as metas de redução das emissões, que o seu Governo irá apresentar na segunda-feira a versão final do “Plano de Energia Limpa” do país, o “passo maior e mais importante para combater as alterações climáticas”.

O plano, considerado uma peça-chave da agenda política de Obama contra o aquecimento global, deverá enfrentar a resistência da oposição republicana, que invocou a destruição de postos de trabalho e custos elevados para a economia, bem como da indústria do carvão e dos estados norte-americanos mais dependentes desta fonte de energia.

A administração Obama argumenta que, com o plano, a diminuição da dependência do carvão se repercutirá em faturas elétricas mais baixas para os consumidores, em 2030, e na melhoria da saúde pública.