Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

(Artigo originalmente publicado em agosto de 2015, a propósito da inauguração da segunda rota, e atualizado em 27 de março de 2021)

A baía de Port Said estava triunfante no primeiro dia das festas. “Em nome da companhia de Suez, dou a primeira pancada de alvião neste terreno que abrirá às raças do Oriente a civilização do Ocidente”. O relato não é sobre a inauguração da segunda rota do Canal do Suez, que decorreria em agosto de 2015, no Egito. É, sim, a memória do que se passou em novembro de 1869, quando se abriu pela primeira vez uma das vias marítimas mais importantes do mundo, elo de ligação entre o Ocidente e o Oriente. Eça de Queiroz estava lá e relatou tudo ao Diário de Notícias, numa série de quatro reportagens.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.