A contagem decrescente já começou: faltam 365 dias para o início dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. A cidade receberá cerca de 10 mil atletas de 226 países entre os dias 5 e 21 de agosto de 2016. A um ano do início das competições, estarão os cariocas preparados para receber o evento?

O Observador preparou uma fotogaleria com o andamento das obras na vila olímpica e no parque olímpico do Rio de Janeiro, os dois principais cenários dos Jogos.

De acordo com um comunicado do Comité Olímpico do Brasil, as obras no Parque Olímpico da Barra já estão 82% concluídas, com seis arenas a ser entregues ainda este ano (as três Arenas Cariocas, a Arena do Futuro, o Centro Olímpico de Ténis e o Velódromo Olímpico do Rio) e uma a ser finalizada no primeiro trimestre de 2016 (Estádio Aquático Olímpico). O parque vai receber 16 das 42 modalidades a serem disputadas.

Já o Complexo Esportivo de Deodoro apresenta 80% da sua construção concluída, segundo o comité brasileiro. No lugar vão acontecer as provas de canoagem slalom, BMX e mountain bike. Por sua vez, o campo de golfe na Barra da Tijuca está 98% concluído. O lugar vai marcar o retorno da modalidade ao programa olímpico.

O andamento das obras, no entanto, acontece num ritmo diferente da última sede dos Jogos de 2012, Londres. Segundo um levantamento do site Terra, 88% das obras na capital inglesa já tinham sido concluídas em julho de 2011. Comparativamente, Marcelo Pedroso, presidente em exercício da Autoridade Pública Olímpica (APO), admitiu há duas semanas que “apenas cerca de 55% das obras para o evento estão concluídas”, segundo cita a BBC Brasil. Pedroso refere-se ao conjunto de obras realizadas para os Jogos Olimpícos, não apenas ao parque e complexo desportivo.

“Os projetos olímpicos de Rio e Londres são diferentes e os desafios de cada cidade são diferentes. Nós certamente não chegaremos a uma situação parecida com a de Atenas em termos de atrasos. É natural que um projeto desse porte passe por problemas”, afirmou à publicação.

A BBC também refere ainda a um levantamento da Câmara Municipal do Rio de Janeiro: 89% das obras de mobilidade, construídas para os Jogos, encontram-se em andamento.

Já a agência Associated Press (AP) divulgou na última quinta-feira que as águas da Baía de Guanabara e a Lagoa Rodrigo de Freitas, onde se vão realizar as competições, por exemplo, de vela ou canoagem, estão contaminadas de “coliformes fecais, bactérias, vírus, protozoários e ‘um número infinito de microorganismos patogénicos'”. Sobre o assunto, o Comité Olímpico Internacional (COI) afirmou que apenas monitoriza o nível de bactérias, não medido a presença de vírus. “Recebemos garantias, da parte da Organização Mundial de Saúde e de outras entidades, que não existe um risco significativo para a saúde dos atletas”, disse Richard Budgett, diretor médico do COI, à Associated Press.