Mil jovens do Partido Trabalhista norueguês reuniram-se esta sexta-feira para realizarem o primeiro acampamento na ilha de Utoya, quatro anos após o massacre protagonizado por Anders Behring Breivik, que matou 69 pessoas.

O extremista Breivik alvejou e matou principalmente adolescentes que participavam no acampamento da Juventude do Partido Trabalhista, a 22 de julho de 2011.

Alguns noruegueses sentem que ainda é muito cedo, e até mesmo desrespeitador, realizar um acampamento de verão no local da tragédia, mas os jovens, incluindo alguns sobreviventes do massacre, estão determinados a recuperar a ilha.

“Claro que há muitas emoções ligadas àquele cenário, mas concentro-me nos positivos”, disse Ole Martin, um dos sobreviventes do massacre à AFP. “Para mim, é importante para recuperar a ilha”, concluiu.

O chefe do Partido Trabalhista, Mani Hussaini, disse, no seu discurso de abertura, que era bom voltar a casa e fez apenas uma referência ao massacre.

“22 de julho de 2011 fará sempre parte da história de Utoya, mas o dia de hoje vai entrar também no passado de Utoya”, afirmou.

O Secretário Geral da NATO, Jens Stoltenberg, que era primeiro-ministro quando ocorreu o massacre, também participou no acampamento e revelou nas redes sociais que estava feliz por acordar em Utoya rodeado de jovens ativistas.

A vigiar a ilha de Utoya até domingo, dia em que terminará o acampamento, estarão dois barcos da polícia.

Na altura dos ataques, as autoridades norueguesas foram duramente criticadas pela falta de preparação e lenta resposta.

Antes da reabertura da ilha, foram construídos novos edifícios, renovados os antigos e criado um memorial intitulado “A Clareira”. O memorial, um anel de aço gigante suspenso, tem inscrito os nomes de 60 das 69 vítimas.

Os nove nomes em falta correspondem a nove vítimas cujas famílias não quiseram ver o nome escrito no memorial.

Após o ataque, Breivik revelou que seu objetivo era acabar com a próxima geração de políticos trabalhistas, mas o ato de terror que praticou teve o efeito contrário. A adesão ao Partido Trabalhista aumentou quase 50 por cento desde o massacre.

Breivik está a cumprir uma sentença de prisão de 21 anos, que pode ser prorrogada indefinidamente, enquanto for considerado perigoso para a sociedade.