Pelo menos 20 pessoas morreram e 13 ficaram feridas hoje num atentado perpetrado por um suicida numa academia policial de Cabul, anunciaram fontes oficiais à agência noticiosa espanhola EFE.

O suicida fez-se explodir na entrada da academia, “no meio de um grupo de cadetes que regressava do fim de semana”, disse o chefe da polícia de Cabul, Abdul Rahman Rahimi, depois do ataque ter sido reivindicado pelo porta-voz dos talibãs, Zabihullah Mujahid.

Segundo a agência noticiosa francesa France-Presse, um responsável de informação afegão, que pediu o anonimato, avançou que o ataque de hoje provocou 20 mortos e 20 feridos.

Mas, uma outra fonte policial informou, também sob anonimato, que 20 cadetes foram mortos, havendo ainda o testemunho de um terceiro que disse haver 25 mortes.

O chefe do Departamento de Emergência do Ministério do Interior, Homayoon Aini, disse que “a equipa de investigação está a trabalhar” no atentado, investigando-o ao pormenor, alertando para a possibilidade de “o número de vítimas pode aumentar nas próximas horas”.

Este é o segundo atentado em menos de 24 horas na capital afegã.

Na madrugada de hoje, um carro-bomba fez 15 mortes e mais de 200 feridos.

Este surto de violência em Cabul ocorre uma semana depois da nomeação do mullah Akhtar Mansour, para chefe dos talibãs afegãos, sucessor do falecido Mullah Omar.