Faltam menos de dois meses para as legislativas e os dados das sondagens mostram cada vez mais um empate técnico. A última, revelada esta sexta-feira no site do Expresso, coloca o PS com 36,3% e a aliança Portugal à Frente com 34,8%. A tendência é, segundo os dados da Eurosondagem, de aproximação – os socialistas perdem quatro décimas, a coligação ganha duas. A diferença face ao mês anterior não é substancial, mas já dificilmente se pode dar como confortável a margem do PS para vencer as eleições de outubro.

Agregando e analisando as sondagens anteriores feitas pelas várias empresas do setor, o site Popstar – liderado por Pedro Magalhães, politólogo e especialista em sondagens -, fez uma estimativa de resultados que mostrava isso mesmo: 37,4% para o PS, 35,4% para a coligação.

Ao primeiro olhar sobre este inquérito da Eurosondagem, Pedro Magalhães escreveu este post no Twitter:

No que respeita aos outros partidos, nota-se apenas uma troca de alguns votos entre CDU e Bloco, com ganho (de duas décimas) para os segundos. Ficam com 10% e 5%, respetivamente. O PDR de Marinho e Pinto está com 2,3% (menos duas décimas também face ao mês anterior) e o Livre com 1,7% (e descida idêntica).

Curioso é notar que António Costa continua a subir em popularidade: ganha 1,5 pontos, subindo para 20,4% de opiniões favoráveis e é o mais popular dos líderes partidários. Portas vem a seguir – subindo 0,7 pontos para 10,7%, uma semana depois de ter voltado às entrevistas televisivas – e na semana em que parece ter ficado excluído dos debates televisivos. Passos está bem atrás, mas fica à beira de popularidade positiva: o resultado é de 1,1% de opiniões negativas prevalecentes, depois da subida de 1,2 pontos.