Crime

Tribunal liberta homem condenado a 21 anos de prisão por matar ex-mulher

118

Homem condenado em janeiro a 21 anos de prisão por matar a ex-mulher com 19 facadas foi colocado em liberdade depois de o Tribunal da Relação de Lisboa ter declarado nula parte do acórdão.

PEDRO FERRARI/Lusa

 

O homem condenado em janeiro a 21 anos de prisão por matar a ex-mulher com 19 facadas foi colocado em liberdade depois de o Tribunal da Relação de Lisboa ter declarado nula parte do acórdão, disse hoje à agência Lusa o advogado.

A libertação de Mário Silva, que ocorreu na quinta-feira, foi hoje confirmada à agência Lusa pelo seu advogado, Hélder Cristóvão, e deve-se à alteração da medida de coação de prisão preventiva para apresentações diárias às autoridades, determinada pelo Tribunal Central de Lisboa (TCL).

A decisão foi tomada após o advogado requerer a libertação do seu constituinte, alegando já ter sido ultrapassado o prazo máximo de prisão preventiva, depois de o Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) ter declarado parcialmente nulo o acórdão do TCL, que aplicou os 21 anos de prisão.

Hélder Cristóvão explicou na semana passada à Lusa que, até haver decisão do tribunal de primeira instância, o tempo máximo de prisão preventiva é de ano e meio, que passa para dois anos após o acórdão deste tribunal.

Na ocasião, o advogado acrescentou que tinha apresentado um requerimento para o coletivo de juízes que realizou o julgamento a pedir a libertação do seu cliente, além de interpor uma providência de ‘habeas corpus’ com vista à sua libertação imediata, por extinção do prazo máximo de prisão preventiva.

Como a Relação de Lisboa declarou nulo o acórdão que condenou o arguido aos 21 anos de prisão, e completando, a 19 de agosto próximo, dois anos de prisão preventiva, o tribunal teve de decidir pela libertação de Mário Silva, que assim vai aguardar a repetição parcial do julgamento e um novo acórdão em liberdade.

Mário Silva, de 36 anos, foi condenado em janeiro deste ano a 20 anos de prisão pela morte de Mara Silva e a dois anos de prisão por um crime de coação agravada, tendo, na ocasião, o coletivo de juízes de primeira instância aplicado, em cúmulo jurídico, a pena única de 21 anos de prisão.

O arguido recorreu para o TRL que anulou o julgamento a partir da sessão em que o coletivo de juízes alterou alguns factos considerados não substanciais, apresentados pela acusação, por não estarem “devidamente fundamentados”.

Além disso, a Relação de Lisboa sublinhou que não podia ser reaberta a audiência para comunicar a alteração de factos apenas na presença da presidente do coletivo de juízes, como aconteceu, e ainda mais quando a defesa do arguido pediu para se pronunciar e requereu prova.

O TRL frisou ainda que “deveria ter sido o tribunal coletivo a estar regularmente constituído e na sala para que a audiência pudesse validamente ser reaberta e prosseguirem os trabalhos”.

Faltando os dois outros juízes, considera-se que o tribunal não se pronunciou sobre as questões de requerimento de prova e de arguição de nulidades, apresentado pelo arguido.

A 27 de janeiro deste ano, o tribunal condenou Mário Silva por ter matado a ex-mulher com 19 facadas, por razões passionais, a 13 de agosto de 2013, na via pública em Chelas, Lisboa.

O arguido foi ainda condenado a pagar 150.000 euros de indemnizações aos familiares da vítima.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Abusos na Igreja

Católicos anticlericais precisam-se

António Pimenta de Brito

Tristemente e depois de vários países com centenas, milhares de casos e figuras altas da Igreja acusadas e condenadas, os negacionistas ainda existem. Sejam eles noutros países, mas no nosso também.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)