Stephen Colbert está desejoso por poder fazer piadas sobre o candidato presidencial Donald Trump. Problema: por enquanto, não tem programa televisivo para isso. O humorista vai substituir David Letterman no “Late Show” do canal CBS, com estreia marcada para 8 de setembro, e não esconde a ansiedade. “Só espero que ele esteja a tomar as suas vitaminas. Por favor, mantém-te saudável até eu ir para o ar”, disse na segunda-feira.

Se no programa “The Colbert Report” o humorista interpretava uma persona de ideologia conservadora, no “Late Show” o caso muda de figura e Stephen Colbert vai poder fazer entrevistas tal como quer. Com a retirada de Jon Stewart, a curiosidade sobre como as vai conduzir adensa-se. Com as declarações feitas agora em conferência de imprensa da Television Critics Association, a curiosidade cresce ainda mais.

“Quero tanto fazer piadas sobre o Donald Trump, e não tenho sítio. Por isso, neste momento, I’m just dry‑Trumping“, disse Colbert, fazendo um trocadilho com o calão dry-humping (algo como “andar na marmelada”, numa tradução livre).

Stephen Colbert já tinha feito, em junho, um vídeo sobre o anúncio da candidatura de Donald Trump às primárias republicanas. O humorista já anunciou que o primeiro candidato republicano a ser entrevistado no “Late Show” vai ser Jeb Bush.

Mas Colbert não esconde a ansiedade para ter Donald Trump sentado à sua frente. “Não faças nada perigoso. Não antes de mota, porque todas as noites antes de me deitar acendo uma vela e rezo para que ele continue na corrida, e também rezo para que ninguém ponha uma vela perto do cabelo dele”, disse, citado pelo Business Insider.