Norte

Parece haver sempre espaço para mais um festival. Este sábado nasce o Melgaço Wood Fest, que vai levar ao Alto Minho 11 artistas, divididos por dois palcos, a partir das 20h00. Mas os concertos, com Black Bombaim à cabeça, não são a única atração. A paisagem, o campismo, atividades desportivas, a piscina exterior e um lago artificial são garantia de um fim de semana bem passado. O bilhete custa 15 euros se comprado na véspera ou 18 euros no dia, e inclui campismo.

Quem quiser ver o pôr-do-sol com o músico e compositor iraniano Mazgani vai poder fazê-lo esta sexta-feira, na esplanada do Teatro de Vila Real. Que não se espere um momento íntimo, já que os fãs são muitos e o concerto tem entrada livre. Quem for poderá, sim, ouvir a voz de Mazgani nas canções do novo disco Lifeboat, que contém versões de Leonard Cohen, PJ Harvey, Elvis Presley e Otis Redding.

This long-exposure photograph taken on August 12, 2013 shows people watching for the Perseid meteor shower in the night sky near Yangon. The meteor shower occurs every year in August when the Earth passes through the debris and dust of the Swift-Tuttle comet.   AFP PHOTO / Ye Aung Thu        (Photo credit should read Ye Aung Thu/AFP/Getty Images)

Os apaixonados pelas estrelas podem ver a chuva de meteoros acompanhados por quem estuda os astros. ©AFP/Getty Images

O pico da chuva de meteoros das Perseidas aconteceu na quinta-feira de manhã, mas até sexta-feira à noite a probabilidade de ver estas “estrelas cadentes” é grande, graças à Lua nova. Para que não tenha de o fazer sozinho e sem explicações, há alguns encontros organizados entre cientistas e leigos apaixonados pelas estrelas. Um deles acontece esta sexta-feira na Praia da Apúlia, em Esposende, às 21h45. A organização é da Orion – Sociedade Científica de Astronomia do Minho.

Na impossibilidade de ir ver o pôr-do-sol com Mazgani, uma boa alternativa é não perder o próximo “Pôr-do-Sol nas Virtudes“, no jardim portuense com aquele nome. A iniciativa que se prolonga até 25 de setembro oferece música e artes performativas gratuitas, sempre às 19 horas, e a entrada é livre.

Centro

De dois em dois anos, a pequena aldeia de Cem Soldos, em Tomar, era uma espécie de meca da música portuguesa. Era. Não porque o festival Bons Sons tenha acabado – longe disso. Mas porque, a partir de agora, esta festa da música acontece anualmente. O Bons Sons começou na quinta-feira e, até domingo, vai ter concertos de nomes como Clã, Manel Cruz, Ana Moura, Camané, Bruno Pernadas, o guitarrista Tó Trips, o pianista Júlio Resende, os Riding Pânico, os Penicos de Prata, Xinobi, DJ Nigga Fox e DJ Firmeza. O bilhete diário custa 15 euros e o passe 35 euros (campismo incluído).

cropped-bons-sons-VandaConceicao1

Bom ambiente e boa música portuguesa. O festival Bons Sons é um bom plano para o fim de semana. ©Vanda Conceição / Organização

A vila albicastrense de Belmonte transforma-se em vila medieval, entre sexta-feira e domingo. Entre as atrações contam-se torneios a cavalo, falcões, teatro de rua, grupos de música de pífaros, gaita-de-foles e bombos, acrobatas, cómicos, artesanato da época e, claro, comes e bebes. Vale a pena uma visita.

Em Santa Cruz, Torres Vedras, há Santa Summer Sounds, cuja receita se baseia em dois dos ingredientes chave do verão: concertos e praia. Na sexta-feira, os cabeças de cartaz são os Tara Perdida, mas os concertos dos The Quartet of Woah e das Anarchicks também vão atrair muito público. No sábado, o destaque vai para o hip-hop de Sam The Kid e Mundo Segundo. No after hours estará DJ Ride. O bilhete de um dia custa 10 euros e o de dois dias 15 euros. Quem quiser acampar pode comprar o passe de 25 euros.

Sul

No fundo do mar, navega algo que está a destruir os navios de guerra. Será uma baleia? Será um bacalhau gigante? Ou será um monstro? Para saber tudo, o melhor é comprar um bilhete (sete euros) para o espetáculo infantil “20.000 Léguas Submarinas“, que a companhia bYfurcação tem em cena no claustro do Museu Nacional de História Natural e da Ciência, em Lisboa. A peça, inspirada no título do livro de Júlio Verne, pode ser vista aos sábados às 16h00 e aos domingos às 11h00.

Há mas um piquenique eletrónico na Tapada da Ajuda, em Lisboa, no domingo a partir das 13h00. Desta vez, o prato principal chama-se Buraka Som Sistema e é servido às 19h00. Logo a seguir, às 20h30, atuam os Rastronaut. Mas antes, para as entradas, há Dalilaah, Branko, Dotorado’pro e o britânico Castro. A entrada custa 10 euros.

A partir de agora, quem pesquisar “Sol da Caparica” no motor de busca mais próximo já não vai encontrar só a famosa música dos Peste & Sida. O novo festival Sol da Caparica nasce este fim de semana no parque urbano da Costa de Caparica, em Almada, e a organização promete 11 horas de música por dia, até sábado. Linda Martini, The Legendary Tigerman, Jorge Palma, PAUS, Xutos & Pontapés, Richie Campbell, Camané, Resistência e DJ Marfox são alguns dos projetos presentes. O domingo é inteiramente dedicado às crianças e até o Avô Cantigas vai lá estar. O bilhete diário custa 15 euros e o passe 35 euros.

riding panico

O pós-rock dos Riding Pânico vai ouvir-se no festival Bons Sons. ©Dunya Rodrigues / Divulgação

Marisco no Largo José Afonso, em Setúbal. Entre 14 e 24 de agosto, vários sabores do mar feitos por cinco restaurantes setubalenses, cervejas artesanais, sessões de cozinha ao vivo e animação musical para aproveitar. As portas abrem às 18h00 e encerram às 24h00. A entrada custa três euros, com direito a uma bebida.

Nos anos em que não há Boom Festival, a melhor alternativa chama-se Freedom Festival. Na Herdade da Chaminé, nos arredores de Elvas, no Alentejo, há a garantia de muita música trance, boas vibes e mergulhos. Existe um bilhete de fim de semana por 65 euros, para quem entra na sexta-feira a partir das 18h00. Para quem entrar no recinto no sábado, à mesma hora, o bilhete custa 40 euros.

Olhão não fica a perder para Setúbal e também já tem de volta o seu Festival do Marisco. A cidade algarvia promete “os melhores bivalves e mariscos da Ria Formosa, confecionados das mais variadas formas”. Para saborear no Jardim Pescador Olhanense, todos os dias a partir das 19h30. O recinto contará igualmente com doçaria típica da região, espaços destinados à venda de artesanato local e regional e, claro, música. Já agora, em Portimão está a decorrer, ao mesmo tempo, o Festival da Sardinha.

Depois de barriga cheia, há que perder umas calorias. O DJ francês David Guetta pode ajudar nessa tarefa, já que é a principal atração musical no Estádio Municipal de Quarteira, na sexta-feira. David Guetta atua às 23h30. Antes, há música de Higher Self e Hugo Tabaco. A entrada para esta discoteca ao ar livre custa 30 euros.

Para aqueles que preferem a música folk à eletrónica, o festival Folkfaro começa no sábado, às 21h30. Na gala de abertura, no Teatro das Figuras, cada grupo mostra o que vale, para aguçar a curiosidade para os espetáculos em nome próprio que se seguem nos dias seguintes. A entrada custa 10 euros.