Os destroços do avião da Trigana Air que desapareceu este sábado na Indonésia já foram encontrados. O anúncio foi feito durante uma conferência de imprensa pelo ministro dos transportes indonésio, Suprasetyo, adianta a CNN. Relatos de testemunhas referem que a aeronave se terá despenhado contra a montanha de Tangok, numa região remota da ilha de Papua.

De acordo com Suprasetyo, os destroços foram encontrados por uma povoação que fica na região montanhosa de Bintang, em Oksibil. “Os relatos ainda estão a ser verificados”, acrescentou o ministro dos transportes. Ainda não se sabe se algum dos passageiros sobreviveu à queda do avião.

Informações anteriores referiam que o diretor de operações da Trigana, Beni Sumaryanto, teria recebido relatos da queda do avião a partir de uma povoação de uma zona montanhosa e de floresta de Papua. Segundo a agência Reuters, esta iria ser inspecionada pelas equipas de busca na manhã de segunda-feira

O avião desapareceu por volta das 14h55 de domingo (22h55 de sábado em Lisboa) antes de aterrar na ilha de Papua. A bordo seguiam 54 passageiros. A Agência Nacional de Busca e Salvamento indonésia (Badan SAR Nasional) ainda enviou uma aeronave para procurar o aparelho da companhia Trigana Air, mas as buscas foram suspensas devido à escuridão, adiantou o presidente da organização. É noite na Indonésia.

Um porta-voz do ministério dos Transportes da Indonésia sublinhava as condições atmosféricas más no local e a escuridão o que não facilitava as buscas. Para além das condições más, Papua é também uma ilha montanhosa e que em parte está coberta por selvas densas. Outros aviões que desapareceram na área não foram encontrados.

O voo doméstico da companhia aérea Trigana Air falhou a chegada prevista a Oksibil. O último contacto dos pilotos com as autoridades aeroportuárias ocorreu nove minutos antes da hora estimada para a aterragem, às três horas da tarde (hora local). Alerta público sobre o desaparecimento do avião foi dado pela agência do país através do Twitter. A aeronave vinha de Jayapura, capital da província da Papua, província da Indonésia.

A lista de passageiros inclui 44 adultos, cinco crianças, dos quais três bebés, e cinco tripulantes.

Em condições normais, a viagem entre Jayapura e Oksibil, no sul da província, teria a duração de cerca de 42 minutos. O avião em questão é um ATR 42 TurboPro, um modelo com turbo hélice.

Companhias da Indonésia na lista negra europeia

No último ano, a Indonésia já assistiu a dois acidentes aéreos. O mais grave envolveu o aparelho da Air Asia que caiu no mar da Java em dezembro do ano passado, provocando a morte de todos os 192 ocupantes. Em julho deste ano, um avião de transporte militar despenhou-se numa zona residencial em Medan, Sumatra, matando mais de 140 pessoas, incluindo vários feridos em terra.

A Indonésia é um importante destino turístico mundial e um arquipélago com cerca de 17 mil ilhas, sendo também por isso um dos mercados na Ásia com maior crescimento do tráfego aéreo. Esta situação tem aumentado a pressão para assegurar quadros especializados, entre pilotos, técnicos e controladores aéreos, e tecnologia moderna, de forma a garantir a segurança dos voos.

A Trigana Air é uma das quatro transportadoras certificadas na Indonésia. Nenhuma delas está autorizada a voar para a União Europeia desde 2007. De acordo com a Aviation Safety Network, uma organização que promove a segurança na aviação, o aparelho desaparecido tem 27 anos. A companhia aérea Trigana Air começou a operar em 1991, tendo entretanto registado 14 incidentes considerados sérios, e abatido 10 aviões à sua frota.