Portugal, Arménia, Colômbia, Jordânia e Nigéria vão juntar-se aos países que já integram o Gabinete de Astronomia para o Desenvolvimento da União Astronómica Internacional (IAU, na sigla em inglês), segundo anunciou a organização na passada quinta-feira durante a Assembleia Geral em Honolulu, no Havai.

O Gabinete de Astronomia para o Desenvolvimento tem como objetivo apoiar a astronomia como uma ferramenta para o desenvolvimento de determinadas regiões e línguas, mostrando os benefícios da astronomia para a sociedade, refere o comunicado de imprensa da IAU. Os gabinetes regionais vão coordenar as atividades nos países vizinhos, como na Arménia, Colômbia e Nigéria, enquanto os centros de especialização de línguas vão lidar com a língua e questões culturais, como Portugal. A Jordânia estará envolvida em ambos os tipos de atividade.

O Centro de Especialização da Língua Portuguesa estará sedeado no Núcleo Interativo de Astronomia (Nuclio) em colaboração com o Instituto de Astrofísica e Ciências Espaciais (IA). A par da língua portuguesa, será criado um centro para a língua árabe e já existe outro para a língua chinesa. Os centros regionais recém-criados irão juntar-se aos quatro já existentes na China, Etiópia, Tailândia e Zâmbia.

A XXIX Assembleia Geral da IAU, que terminou na passada sexta-feira, nomeou ainda os dez novos membros da direção da organização para 2015-2018, incluindo o presidente e o secretário-geral que assumirão funções este triénio e os que assumirão funções em 2018-2021, depois deste período de três anos de “treino”. A portuguesa Maria Teresa Lago, investigadora no IA na Universidade do Porto, que irá ocupar o lugar de secretária-geral adjunta até 2018, quando passará a secretária-geral de plenas funções.

Atualização: nomeação para a direção da IAU. 2015-08-19, 12:00