Imagine que a Coreia do Norte decide celebrar uma data marcante colocando uma banda europeia de rock industrial a tocar temas do icónico filme “Música no Coração”. Foi isso que aconteceu no passado dia 19 de agosto, quando os eslovenos Laibach subiram ao palco do Teatro das Artes de Ponghwa, em Pyongyang, para darem o primeiro de dois concertos, no âmbito do 70º aniversário da libertação da península do invasor japonês”. O concerto, o primeiro de um conjunto europeu, juntou cerca de 1500 norte-coreanos, 150 ocidentais, diplomatas, funcionários de ONG e turistas.

11880585_10153084193706765_7575421467524778051_n

imagem retirada do Facebook dos Laibach

Perante um público tímido, que “não entoou as músicas” nem “bateu palmas durante as músicas”, segundo a agência France Presse, o grupo esloveno preparou um alinhamento especial, repescando versões de “Final Countdown” dos Europeu, “Across The Universe” dos Beatles e “Live is Life” dos Opus.  Numa atuação de 45 minutos, o grupo tocou músicas como “Edelweiss”, “Dó-Ré-Mi” e “The Hills Are Alive”, do filme “Música no Coração”, que é muito popular na Coreia do Norte, segundo declarações à BBC de Morten Traavik, o manager de digressão dos Laibach. O conjunto esloveno tocou ainda a canção “Arirang”, considerada a melodia tradicional coreana mais conhecida, e “Vamos para o Monte Paektu”, canção de propaganda norte-coreana sobre a Montanha Baekdu, sagrada para o regime de Kim Jong-un.

11863426_10153084199891765_1158380907418401511_n

Imagem retirada do Facebook dos Laibach

Algumas vozes surgiram entretanto, entre elas a do comediante John Oliver, insinuando que a estética totalitarista e fascista dos Laibach foi um dos motivos que levou a banda eslovena a ser escolhida pelo líder norte-coreano. O conjunto de rock industrial, que influenciou inúmeros nomes do género, como os alemães Rammstein, é também conhecido pelo seu habitual uso da simbologia nazi. Em entrevistas, o grupo aparenta negar qualquer apologia fascista, mas as respostas costumam ser ambíguas: “Somos tão nazis quanto o Hitler era pintor”, disse a banda.

A música ocidental, restringida pelo regime de Kim Jong-un, tem chegado cada vez mais ao país, através de ficheiros multimédia clandestinos. Após a passagem pela capital norte-coreana, os Laibach têm concerto marcado no festival leiriense EntreMuralhas no dia 29 de agosto.