A Coreia do Norte assegurou este sábado que as suas tropas estão preparadas para uma “guerra total” se Coreia do Sul não cumprir o ultimato exigido, numa altura de grande tensão militar entre os países.

“O exército e o povo da Coreia do Norte estão preparados para responder ou avançar com represálias, e não descartam uma guerra total”, anunciou o Ministério dos Negócios Estrangeiros, num comunicado divulgado pela agência estatal KCNA.

O ministério sul-coreano afirmou que “a situação a que se chegou, à beira de uma guerra, é dificilmente controlável neste momento”.

A Coreia do Norte reiterou no seu comunicado que levará a cabo uma ação militar contra o Sul às 17 horas deste sábado (9 horas em Lisboa) se Seul não retirar os altifalantes que emitem mensagens de propaganda contra o regime de Pyongyang na Zona Desmilitarizada (DMZ) que divide os dois países.

A Coreia do Sul disse na sexta-feira que os altifalantes, colocados na semana passada em resposta a um alegado ataque com minas por parte do Norte, “vão continuar a funcionar”, segundo confirmou à Efe um porta-voz do Ministério da Defesa, o que geou receios de um conflito de maior dimensão.

A tensão estalou na quinta-feira, quando Seul acusou Pyongyang de disparar contra uma das suas unidades militares, e respondeu com o lançamento de três dezenas de rondas de artilharia na direção do Norte.

O regime de Kim Jong-un assegurou hoje que nunca disparou e acusou o Governo da Coreia do Sul de inventar esse facto.