A produção de uvas para o fabrico de vinho Madeira deverá atingir este ano as 4.500 toneladas, valor superior em 500 toneladas ao de 2014, informou esta segunda-feira o secretário regional da Agricultura e Pescas.

“Este é, sem dúvida, um grande ano de vinha e ainda bem que assim é, porque funciona como um prémio para os agricultores continuarem o seu trabalho”, disse Humberto Vasconcelos, após uma visita a quatro explorações no concelho de Câmara dte Lobos, na zona oeste da ilha da Madeira, onde se encontra a maior mancha de vinhedos.

O governante aproveitou para anunciar que a abertura oficial das vindimas na região autónoma está marcada para 31 de agosto e revelou que o preço pago ao viticultor rondará um euro por quilo, valor semelhante ao praticado no ano passado.

“Como é um ano com maior produção, isto significa maior rendimento”, sublinhou Humberto Vasconcelos, destacando, por outro lado, que o Governo Regional ativou um sistema de incentivos destinado à reconversão das castas tintas por castas brancas.

O secretário regional explicou que o mercado se encontra atualmente saturado de vinho produzido com a casta tinta negra, a mais usada na Madeira, havendo uma procura cada vez maior por castas brancas, como verdelho, sercial e terrantez.

“Aumentando a produção de castas brancas, aumentará também a rentabilidade do viticultor”, salientou Humberto Vasconcelos, vincando que o executivo está a desenvolver um estudo no sentido de definir a área ideal a reconverter face às necessidades e exigências do mercado.