O treinador do CSKA Moscovo, Leonid Slutsky, considerou hoje, na antevisão do jogo da segunda mão do ‘play-off’ da Liga dos Campeões em futebol com o Sporting, que a incerteza no apuramento durará até ao final.

“As coisas vão-se resolver em alguns detalhes, em coisas pequenas, e a incerteza vai existir até ao final”, salientou o técnico da equipa russa, que na quarta-feira tentará inverter uma derrota de 2-1 trazida de Alvalade.

Slutsky, que também é treinador interino da seleção russa, disse ainda não ter ficado surpreendido com o Sporting, confirmando que os ‘leões’ têm “uma equipa muito forte”, a ideia que já tinha antes de os defrontar.

Para o treinador dos russos existe uma definição de 90 por cento do ‘onze’ que vai utilizar, mas considera que a tática dependerá em muito do que o Sporting fizer na Arena Khimki, em jogo agendado para as 19:45 (horas de Lisboa).

“A estratégia da equipa depende também da equipa contrária, claro que precisamos de jogar futebol mais ofensivo e entrar em campo a querer fazer golos, ganhar este jogo, mas a estratégia depende das duas partes”, justificou.

Leonid Slutsky rejeitou ainda que exista vantagem pelo facto de os russos terem mais jogos disputados desde o início da época e lembrou que isso não foi uma mais-valia no encontro da primeira mão, que o CSKA perdeu por 2-1.

A ausência do lateral-esquerdo Jefferson, baixa na equipa ‘leonina’, também foi abordada pelo técnico, que disse não conhecer muito bem o eventual substituto, Jonathan Silva, reiterando a ideia de que um golo pode “mudar drasticamente a tática”.

Quanto ao perigo que pode surgir de jogadores como Slimani ou Carrillo, Slutsky considera que a preocupação não se pode focar em jogadores específicos, mas fazer com que a equipa no seu todo “não permita perigo do Sporting”.

Já o lateral brasileiro Mário Fernandes, do CSKA, considerou que Jefferson, seu companheiro dos tempos do São Caetano, é uma baixa importante, mas que existem outros grandes jogadores, pelo que compete à sua equipa “fazer um grande jogo” para se qualificar.

“Sabemos que é muito importante fazer um golo fora de casa, conseguimos e amanhã [quarta-feira] sabemos que precisamos de marcar para vencer, mas também sabemos que se sofrermos fica muito difícil. Temos de atacar, mas defender bem para não sofrermos”, salientou o defesa, revelando que não espera um Sporting tão ofensivo.

O jogo de quarta-feira, que decide a entrada na fase de grupos da Liga dos Campeões, será dirigido pelo árbitro checo Pavel Královec.