Mundo

Universidades mais prestigiadas do mundo são mais baratas que as norte-americanas

108

O U.S. News and World Report verificou que algumas das universidades mais prestigiadas do mundo são mais baratas do que as norte-americanas.

Universidade de Oxford mic.com

Getty Images

Tal como em Portugal, nos Estados Unidos da América as propinas não param de subir. Os estudantes americanos estão cada vez mais endividados. Em média, os jovens devem cerca de $35.000, ou seja, cerca de 31.450 euros.

Segundo o ranking global do U.S. News and World Report, que fez a seleção das universidades mais prestigiadas do mundo, verifica-se que existem muitas universidades que são mais baratas do que as norte-americanas e ainda mais prestigiadas.

1- Universidade de Oxford

Oxford ocupa o quinto lugar das universidades mais prestigiadas do mundo. Para os britânicos ou estudantes da União Europeia, uma licenciatura poderá ficar nos 12.670 euros. Já para os internacionais, o investimento sobe para os 23, 912 euros. No entanto, este valor não chega nem a metade dos custos administrativos e taxas de inscrição que um estudante da Universidade de Harvard terá de pagar.

2- Universidade de McGill

Fundada em 1821, a Universidade de McGill, em Montréal, no Canadá, já formou mais de 138 vencedores da Rhodes Scholarship, uma das bolsas de pós-graduação mais célebres do mundo . É uma das universidades mais prestigiadas no país e no estrangeiro. Para os estudantes canadianos uma licenciatura fica nos 4, 834 euros e para os estrangeiros cerca 11, 429 euros.

3 – Universidade de Melbourne

Na Universidade de Melbourne, os alunos nacionais saem beneficiados em relação aos internacionais. Um estudante australiano paga cerca de 5.567 euros de propinas por ano, enquanto que um estudante internacional paga cerca de 23, 695 euros de propinas. No ranking global, esta universidade está no 32º lugar ao lado da Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill.

4- Universidade de Munique

Na Universidade de Munique, os estudantes nacionais ou internacionais não pagam propinas, foram abolidas em 2014 pelo Governo alemão. Um estudante desta universidade apenas terá que pagar cerca de 113 euros relativos à taxa de inscrição e custos administrativos.

5- Universidade Nacional de Singapura

A Universidade Nacional de Singapura apesar de ter parcerias com as Universidades de Harvard, Yale e Columbia, tem uma taxa de matrícula muito mais baixa do que nas universidades americanas. As bolsas que o governo dá aos alunos nacionais e estrangeiros faz com que as propinas desta universidade se tornem baixas relativamente às universidades norte-americanas. Os estudantes nacionais pagam cerca de 5.089 euros e os internacionais, 10.182 euros por ano.

6- Universidade de Pequim

Mundialmente, a Universidade de Pequim encontra-se no 39º lugar, logo a seguir às universidades de Nova Iorque e Boston. Para um estudante chinês as propinas rondam os 702 euros. Para os internacionais as propinas andam à volta dos 3.655 euros. Este é o valor que um estudante de Harvard gasta em livros e despesas pessoais.

7- Universidade de Helsínquia

Na Filândia os estudantes nacionais ou estrangeiros da Universidade de Helsínquia também não pagam propinas. Para além das licenciaturas, os mestrados e doutoramentos também são gratuitos. Esta universidade encontra-se no lugar 100 do ranking das universidades mais prestigiadas do mundo, enquanto que a Universidade de Brow, nos EUA, está no 106º lugar e cobra por ano cerca de 47.731 euros.

8- Universidade de Toronto

A Universidade de Toronto é particularmente mais barata para os estudantes que residem no Canadá. O curso no total ficaria cerca de 4,151 euros. No entanto, para alunos estrangeiros as propinas rondam os 24.253 euros. Esta será uma boa opção para os americanos que queiram ficar perto de casa e ao mesmo tempo procurem uma experiência internacional.

9- Universidade de Zurique

Um curso na Universidade de Zurique ronda os 11,239 euros para os estudantes internacionais. No caso dos nacionais fica ainda mais barato, cerca de 900 euros. Caso não seja perito em alemão, inscreva-se já num curso, pois para frequentar esta universidade terá de saber falar fluentemente alemão.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mundo

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Parece chegado o momento premente dos “Políticos” de cada País determinarem o que deve mudar para salvação do Mundo e preservação da nossa descendência.

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)