Rádio Observador

Turismo

Enoturismo e vindimas são oportunidade de trabalho para muitos no Douro

355

O Douro representa, nesta altura do ano, uma oportunidade para muitos licenciados, desempregados ou estudantes trabalharem nas vinhas ou nas unidades de enoturismo, que recebem inúmeros turistas.

Por estes dias começa o corte das uvas na mais antiga região demarcada do mundo, naquela que é grande festa do Douro. E foi mais esta vindima que criou a oportunidade que Patrícia Almeida, de Lousada, e Daniela Guedes, de Vila Real, estão a aproveitar. Ambas acabaram a licenciatura em turismo e encontraram na Quinta da Avessada, uma empresa especializada em animação turística que se situa no concelho de Alijó, a primeira oportunidade de trabalho.

“Fomos contratadas por dois meses e meio. É um trabalho sazonal, mas é muito bom”, afirmou Patrícia Almeida à agência Lusa. Daniela Guedes acredita que esta experiência de trabalho vai ser “enriquecedora a nível pessoal e de currículo”.

As duas jovens vão servir de guias nesta unidade de enoturismo, com uma enoteca que conta a história do vinho e proporciona ainda experiência de vindima aos visitantes. A quinta está de portas abertas o ano inteiro e, segundo o proprietário Luís Barros, recebe uma média semanal de 1.200 pessoas.

Em setembro e outubro, época de vindimas, vamos para os 2.100 visitantes por semana, aos quais precisamos de dar o acompanhamento técnico necessário”, frisou.

Luís Barros referiu que, neste período, precisa de reforçar a equipa de 22 funcionários com mais seis pessoas, duas para o enoturismo e quatro para a parte de restauração e bar. “Quem me dera que as vindimas se prolongassem por mais tempo. Infelizmente não é assim”, lamentou.

Para o contacto com os turistas, o responsável disse que tem de contratar pessoas com “alguma qualificação”, já que, pelo menos, o “saber falar inglês é obrigatório”. A esta quinta chegam muitos turistas americanos, ingleses e alemães.

A Quinta do Vallado, no Peso da Régua, começa mais cedo a preparar o reforço de pessoal. O enoturismo nesta unidade junta o alojamento, as visitas à adega e vinha e ainda um restaurante e todos os funcionários têm estar preparados para trabalhar nas três áreas. Com uma equipa fixa de 13 pessoas na Régua e mais três no Douro Superior, que acolhe uma extensão do hotel vínico, a empresa reforça a mão-de-obra a partir de maio, altura em que começam a chegar mais turistas à região.

Marta Teixeira é licenciada em animação turística e veio do Porto para trabalhar nesta unidade de enoturismo. “Faço visitas guiadas, mas também faço trabalho de receção e ajudo no serviço das mesas. Está a ser muito bom e estou a gostar muito do que estou a fazer”, salientou a jovem. O contrato dura até dezembro. E depois? “Vamos ver o que acontece. É procurar de novo e estar aberta a novas experiências”, salientou.

A vindima é o culminar de um ano inteiro de trabalho na vinha. Neste período, milhares de pessoas concentram-se no Douro para cortar as uvas, mas não se sabe ao certo quantas são.

Carina Lucas vive em Santo Xisto, Régua. Está desempregada e anseia pelo começo da vindima, aquela que diz ser a única oportunidade de trabalho que o Douro lhe dá ao longo do ano: “Não temos alternativas nenhumas e o dinheiro que vou ganhar serve para ajudar a pagar algumas despesas”. Também Isabel Sampaio, doméstica, vai todos os anos cortar uvas para ganhar um “dinheiro extra” para, principalmente, a alimentação.

Francisco Ferreira, da Quinta do Vallado, afirmou à Lusa que, nesta altura, “há muitas pessoas a pedirem trabalho”.

Hoje em dia acontece uma coisa curiosa. Já há pessoas com trabalho fixo que tiram férias para ganharam mais algum dinheiro nas vindimas”, referiu.

A propriedade possui uma equipa fixa de trabalhadores que, na vindima, reforça com mão-de-obra das aldeias vizinhas mas recorre também aos empreiteiros agrícolas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)