A Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no distrito de Coimbra, anunciou hoje que espera receber no dia 11 de setembro 21 refugiados, na maioria sírios, que constituem cinco famílias, transferidos de um campo no Egito.

Segundo Jaime Ramos, presidente da Fundação Assistência, Desenvolvimento e Formação Profissional (ADPF), os refugiados vão ser instalados no município vizinho de Penela, em apartamentos T3, no âmbito de uma parceria que envolve aquelas duas entidades e o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

“Este é um projeto com caraterísticas diferentes por ser, talvez, a primeira vez que envolve municípios pequenos, fora de Lisboa, que acolhem refugiados em instalações pequenas, disponibilizando um apartamento para cada família”, sublinhou.

O dirigente, antigo governador civil de Coimbra, salientou ainda que a Fundação ADFP tem capacidade habitacional e equipa técnica para poder receber nos próximos meses até duas centenas de refugiados, estando disponível para dar o seu contributo para a resolução “de um dos problemas que atualmente mais preocupa a Europa e a Humanidade”.

A instituição constituiu uma equipa técnica multidisciplinar de acolhimento com intérprete, professora de português, socióloga, psicóloga, enfermeira e técnica social, que integra profissionais de várias nacionalidades (ucraniana, tunisina e portugueses) com experiência de emigração em França.

Nesta primeira fase, os refugiados vão ser instalados em Penela, mas os que vierem numa fase posterior podem ser acolhidos em Miranda do Corvo e noutros concelhos da região de Coimbra.

A Fundação ADFP adianta, em comunicado, que para estes primeiros 21 refugiados (famílias com bebés, crianças e jovens) já foram feitos contactos com creches, pré-primária, escolas de Penela e Centro de Saúde para uma rápida integração na comunidade.

“Espera-se que as empresas de Penela possam cooperar numa rápida integração laboral dos adultos. Em Miranda do Corvo, a Fundação ADFP adquiriu um prédio com oito apartamentos tipo T 4, em fase de conclusão, e criou uma residencial com capacidade para trinta pessoas disponíveis para receber refugiados”, sublinha o documento.

A instituição pretende ter respostas habitacionais diferenciadas para casais ou indivíduos e para famílias pequenas ou numerosas, criando condições “que não se assemelhem a campos de acolhimento desumanizados com elevada concentração, assentes em terrenos onde se colocam tendas ou pré-fabricados”.

“A utilização de pequenos polos, com base em apartamentos iguais aos que a população portuguesa habita, pode ser, na opinião da Fundação ADFP, uma estratégia favorecedora de uma integração social com sucesso, que evita problemas sociais e contribui para o desenvolvimento sustentado de Portugal”, salientou Jaime Ramos.