Três crianças estão em estado crítico depois de terem sido encontradas em mais um camião com 26 refugiados, na Áustria. O camião foi mandado parar em St. Peter am Hart, uma pequena cidade perto da fronteira alemã, nesta sexta-feira, notícia a APA, citada pela Reuters.

As crianças estavam desidratadas e atordoadas por viajarem apertadas no camião muito quente. A informação é dada por David Furtner, representante da polícia austríaca, que acrescentou que, naquelas condições, as crianças “não iam aguentar muito mais”. Os refugiados vinham da Síria, do Afeganistão e do Bangladesh. As crianças e os respetivos pais foram levados para o hospital, perto de Braunau. O condutor romeno, de 29 anos, foi detido.

Recorde-se que ainda na quinta-feira foram encontrados 71 corpos num camião no mesmo país, abandonado numa autoestrada no leste da Áustria. Os quatro suspeitos da morte dos refugiados ficarão detidos até 29 de setembro, decidiu a justiça húngara, conta a Lusa.

Os suspeitos, três búlgaros – o proprietário do camião e dois motoristas – e um afegão, suspeitos de serem “os operacionais” de um gangue, foram presentes ao tribunal de Kecskemét, cidade a meio caminho entre Budapeste e a fronteira sérvia, que se tornou um dos principais pontos de entrada na União Europeia para dezenas de milhares de refugiados.

O Ministério Público pediu que os quatro homens – dois com cerca de 30 anos e os outros dois com cerca de 50 – permaneçam sob custódia devido à “natureza excecional do crime, as subsequentes mortes de pessoas no tráfico de seres humanos e a perpetração do ato criminoso de traficar pessoas de forma profissional”. Segundo os primeiros elementos da investigação, as 71 vítimas – 59 homens, oito mulheres e quatro crianças – eram possivelmente refugiados sírios e terão morrido asfixiadas.

Ban Ki-moon diz que “Mar Mediterrâneo é armadilha mortal”

O secretário geral da ONU diz que é preciso fazer mais e pede aos países e às comunidades mais apoio. “Apelo a todos os governos envolvidos para darem respostas compreensivas, para abrirem os canais seguros e legais e para agirem com humanidade, compaixão e de acordo com as obrigações internacionais”, disse.

Ban Ki-moon diz ter ficado “horrorizado e de coração partido” com as mortes dos 71 refugiados no camião abandonado na Áustria. “O Mar Mediterrâneo continua a ser uma armadilha mortal para os refugiados e migrantes”, considerou. O responsável classificou os recentes acontecimentos como uma “tragédia humana que precisa de uma resposta política coletiva”.