O papa Francisco lamentou este domingo a morte de 71 refugiados, cujos corpos foram encontrados na quinta-feira num camião no leste da Áustria, pedindo uma “cooperação eficaz” para “crimes que ofendem toda a Humanidade”.

“Junto-me a toda a Igreja na Áustria na oração pelas 71 vítimas, entre as quais quatro crianças, encontradas num camião na autoestrada Budapeste-Viena. Confio cada uma delas à misericórdia de Deus”, declarou o papa.

O chefe máximo da Igreja Católica lembrou ainda que “nestes últimos dias numerosos refugiados perderam a vida nas suas terríveis viagens”. Em pleno debate mundial sobre o acolhimento a dar a milhões de refugiados e de migrantes, o papa opõe-se aos movimentos xenófobos, também existentes entre os católicos, recomendando que estes se mobilizem mais do que nunca para os acolher.

O seu apelo é apoiado nomeadamente em Itália, onde o arcebispo de Turim (norte), monsenhor Cesare Nosiglia, pediu no sábado a cada paróquia para que se responsabilize por cinco refugiados. Desde a sua eleição em 2013 que o papa faz campanha contra a “mundialização da indiferença” em relação aos imigrantes clandestinos, 107.000 dos quais chegaram à Europa apenas durante o mês de julho.