Conflito na Ucrânia

Ucrânia: Parlamento aprova reforma constitucional, confrontos e feridos na rua

O parlamento ucraniano aprovou hoje uma polémica reforma constitucional que dá mais autonomia aos territórios separatistas do leste. Protestos e feridos à frente do edifício.

SERGEY DOLZHEKO/EPA

O parlamento da Ucrânia aprovou hoje em primeira leitura a polémica reforma constitucional que dá mais autonomia aos territórios separatistas do leste, enquanto, no exterior, um protesto contra a reforma degenerou em confrontos com a polícia.

Várias centenas de militantes do partido nacionalista Svoboda juntaram-se ao princípio da manhã frente à Rada Suprema (parlamento) para contestar a reforma, que consideram “anti-ucraniana” e pró-Putin”. Ao mesmo tempo, militantes do partido de extrema-direita Setor Direita anunciaram ter bloqueado o tráfego na rua frente à assembleia.

O projeto de reforma foi votado favoravelmente por 265 deputados, mais 39 do que os necessários para ser aprovado. Após a votação, algumas dezenas de manifestantes envolveram-se em confrontos com a polícia e uma forte explosão foi ouvida no local.

Pelo menos dez pessoas, entre as quais polícias, ficaram feridas. Segundo jornalistas no local, viam-se várias pessoas cobertas de sangue.

A reforma insere-se nos acordos de paz de Minsk e visa acalmar a guerra no leste do país que nos últimos 16 meses fez mais de 6.800 mortos, mas os setores nacionalistas veem-na como uma tentativa de legalizar ‘de facto’ o controlo pelos rebeldes de parte do leste industrial da Ucrânia. O projeto atribui poderes reforçados aos conselhos regionais e locais e autoriza nomeadamente a criação de uma “polícia popular”.

Mas, contrariamente ao que pretendiam os separatistas, o projeto não confirma o “estatuto especial” de semiautonomia dos territórios que controlam, remetendo para uma lei autónoma a aprovar no futuro e por um prazo de apenas três anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)