País

Exército preserva memórias da resistência à ditadura

Preservar memórias da resistência à ditadura do Estado Novo e da violência exercida pela PIDE em Portugal são os objetivos do protocolo estabelecido entre o exército e os resistentes anti-fascistas.

Aguiar-Branco presidiu à cerimónia de assinatura do protocolo entre o exército e os resistentes anti-fascistas

PAULO NOVAIS/LUSA

Preservar memórias da resistência à ditadura do Estado Novo e da violência exercida pela PIDE (Polícia Política) em Portugal são os objetivos do protocolo estabelecido entre o Exército Português e a União dos Resistentes Antifascistas Portugueses (URAP).

O protocolo denominado “Do Heroísmo à Firmeza — percurso na memória da casa da PIDE no Porto, 1930-1974”, visa regular a colaboração entre o Exército Português e a URAP na concretização, no Museu Militar do Porto, de uma parte do projeto “Do Heroísmo à Firmeza”, da autoria do arquiteto e investigador Mário Mesquita, docente na Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto.

“O projeto constituirá, com autonomia intelectual e respeitando os seus conteúdos, uma unidade de informação e interpretação documental”, lê-se no documento a que a Lusa teve acesso.

“A democracia exige um trabalho diário e uma luta constante”, declarou o ministro da Defesa Nacional, Aguiar-Branco, que presidiu, no Porto, à cerimónia de assinatura de protocolo entre o Exército Português e a URAP.

Segundo a URAP, o protocolo culmina mais de dez anos de luta da instituição para preservar a memória das centenas de presos que passaram pela cadeia do Porto e que, para além da privação da liberdade por delito de opinião, foram vítimas de tortura e até da morte.

“Esta concretização deveu-se à aprovação pela Assembleia da República, no dia 3 de julho, de dois projetos de resolução, da autoria do PCP e do BE, que recomendavam ao Governo “a implementação de um projeto museológico, que, mantendo o atual, permita no Museu Militar do Porto homenagear os resistentes ao fascismo, identificar os percursos e os espaços usados pela PIDE e expor documentos relacionados com os presos políticos e a resistência ao fascismo”, recordou Maria José Ribeiro, da URAP.

Aguiar-Branco observou que é importante não esquecer que houve no passado quem tenha lutado pela “simples liberdade de pensamento, liberdade de expressão” e que essa realidade deve ser “regada todos os dias”.

A assinatura do protocolo de cooperação decorreu no Museu Militar do Porto, nas antigas instalações da PIDE — Polícia Internacional e de Defesa do Estado.

O edifício, localizado na Rua do Heroísmo, era uma habitação datada de finais do século XIX pertencente a D. Maria Coimbra e albergou freiras espanholas durante a Guerra Civil de Espanha e em 1936 o Estado alugou o imóvel para instalar a sede da polícia política.

A URAP, através da sua representante Maria José Ribeiro, explicou que vai agora trabalhar, em estreita colaboração com a direção do Museu Militar, na execução do projeto elaborado em 2009.

A URAP prevê não só a criação de um percurso expositivo, mas o recurso a fontes documentais, designadamente normas de serviços, entrevistas a presos políticos, registo geral dos presos, bibliografias com memórias e fotografias.

À margem da assinatura do protocolo, o governante declarou aos jornalistas que a democracia “é o regime, por natureza, que permite maior liberdade de todos, de pensamento, de ação e de manifestação” e por essas razões todos os portugueses deviam lutar por ela “todos os dias”.

O ministro acredita que a assinatura deste protocolo vai preservar a memória da resistência à ditadura do Estado Novo, e em simultâneo valorizar o Museu Militar do Porto.

Em 2014 o Museu Militar do Porto passou a integrar a Rede Nacional de Museus e a Secretaria de Estado da Cultura, no seu parecer prévio, sugeriu a integração da temática da resistência à ditadura do Estado Novo no circuito expositivo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)