Mundo

Qual vai ser a nova bandeira da Nova Zelândia?

O governo da Nova Zelândia já publicou as quatro imagens finalistas. Uma delas pode ser hasteada em breve neste país insular do Oceano Pacífico.

New Zeland Government

A Nova Zelândia está prestes a escolher uma nova bandeira para ondular ao sabor do vento. O símbolo atual daquele país do Oceano Pacífico foi adotada em 1902 e mostra a bandeira britânica num canto e a constelação do Cruzeiro do Sul no outro.

O Governo colocou todos os neozelandeses à procura da nova bandeira, algo que podia ter sido feito no Parlamento. Mas “era importante ter um processo legítimo que dê a toda a gente a oportunidade de dizer o que tem a dizer”, lê-se no site do Executivo neo-zelandês. Esse processo obedece a dois referendos: o primeiro (20 de novembro a 11 de dezembro) coloca a população a escolher uma das quatro bandeiras finalistas (presentes na fotogaleria), enquanto o segundo (3 de março a 24 de março de 2016) pergunta às pessoas se preferem manter a antiga ou adoptar uma nova.

As bandeiras presentes na fotogaleria foram as que mais agradaram ao neozelandeses. Havia quase 10,3 mil alternativas. Pode verificar o seu significado nas legendas.

A ideia de criar uma nova bandeira veio do primeiro-ministro da Nova Zelândia, John Key, em março de 2014. O objetivo é eliminar a representação da “Union Flag” (bandeira britânica) do símbolo nacional. Num comunicado feito o ano passado, o primeiro-ministro terá dito: “Há muito tempo que nós não somos dominados pelo Reino Unido”. A Nova Zelândia conquistou a sua independência ao Império Britânico a 26 de setembro de 1907 e quer uma bandeira que represente a unicidade do país.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mundo

Os novos bárbaros - uma cultura de destruição 

Paulo Rodrigues Ferreira

Que desejam estes novos bárbaros? Espalhar rancor, ressentimento, divulgar mentiras. Que todos sofram o mesmo que eles sofrem. Combater a globalização ou o cosmopolitismo, a que chamam "globalismo".

Índia

Populismos e finais felizes /premium

Diana Soller

Numa época em que os populismos têm uma presença cada vez mais forte nas democracias ocidentais, vale a pena revisitar o passado e outras geografias. Queremos o mesmo para nós?

Mundo

Mensagem filosófica aos tempos-imitações de Trump

António Rocha Martins

Serei eu, governante, tanto mais forte quanto mais amado for por uns e odiado por outros? A resposta é, enfaticamente, objetivamente, negativa, pois o ódio é incurável e procura sempre fazer mal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)