A ex-presidente do PSD, Manuela Ferreira Leite, vai estar em plena campanha eleitoral ao lado do economista Mário Centeno a apresentar o novo livro do deputado e ex-dirigente socialista Pedro Adão e Silva. A obra, escrita pelo ex-membro do secretariado nacional do PS durante a liderança de Eduardo Ferro Rodrigues em parceria com Mariana Trigo Pereira, filha do economista Paulo Trigo Pereira que é também candidato pelo PS, centra-se na tentativa de compreender melhor os “mitos do Estado Social português”.

Ao lado de Ferreira Leite estará Mário Centeno, o economista que liderou o grupo destacados por António Costa para elaborar o cenário macroeconómico, e que integra agora as listas de candidatos às legislativas. A apresentação do livro – “Cuidar do Futuro – Os mitos do Estado Social português” – está marcada para o próximo dia 14 de setembro, no El Corte Inglês.

Certo é que Manuela Ferreira Leite tem sido uma das vozes sociais-democratas mais críticas da governação de Pedro Passos Coelho. E António Costa, numa entrevista ao semanário Sol, chegou mesmo a admitir que não afastava a hipótese de chamar a ex-ministra das Finanças do PSD para um Governo do PS. “Há entre mim e Manuela Ferreira Leite uma identidade de pontos de vista muito significativa”, disse.

Antes, também em declarações ao Sol, a ex-presidente do PSD tinha-se escusado a dizer se iria ou não votar na coligação nestas eleições legislativas. “É legítimo fazer a pergunta. Mas não quero responder”, disse àquele jornal no início de agosto.

Já em 2005, quando era Pedro Santana Lopes quem presidia ao PSD, Ferreira Leite também chegou a afirmar publicamente as suas dúvidas sobre se iria ou não votar no seu partido, por divergências claras com o líder. Mais tarde, contudo, confirmou que tinha votado PSD por a filiação partidária ter falado mais alto do que as divergências pessoais.