O interior da casa do poeta e pintor Mário Cesariny (1923-2006), na rua Basílio Teles, em Lisboa, é revelado a partir desta quinta-feira, numa exposição de fotografias de Duarte Belo no Museu da Eletricidade.

“Cesariny – Em casas como aquela” é o título desta exposição que revela os livros, quadros, manuscritos e objetos de um dos mais importantes artistas do movimento surrealista em Portugal, com inauguração prevista para as 18:00.

Comissariada por António Gonçalves, a mostra fica patente até 11 de outubro, no Museu da Eletricidade, resultado de uma parceria com a Fundação Cupertino de Miranda, com sede em Vila Nova de Famalicão, detentora de um significativo acervo dos surrealistas portugueses.

As fotografias foram realizadas no âmbito da atribuição a Mário Cesariny do Grande Prémio EDP – Artes Plásticas, em 2002, no âmbito do qual a Fundação EDP realizou uma exposição retrospetiva do artista, que esteve patente no Museu da Cidade, em Lisboa, entre 2004 e 2005.

A exposição esteve patente posteriormente no Centro de Estudos do Surrealismo, em Vila Nova de Famalicão, e no Círculo de Bellas Artes de Madrid, em 2006.

Nascido em Lisboa, em 1968, Duarte Belo é formado em arquitetura, e, desde 1986, trabalha no levantamento fotográfico sistemático da paisagem, formas de povoamento e arquiteturas em Portugal.