Rádio Observador

Linguística

Teste: menina de 12 anos conseguiu nota máxima nos testes Mensa

162 pontos. Foi este o valor que Lydia Sébastian conseguiu alcançar nos testes mais difíceis do mundo. Agora é um génio. E talvez o nosso leitor também seja. Descubra aqui.

AFP/Getty Images

Uma rapariga de 12 anos conseguiu alcançar a nota mais alta possível no teste Cattell III B, supervisionado pela Mensa, a sociedade de pessoas com QI muito elevados. Apenas 1% da população mundial está dentro deste grupo de pessoas capazes de atingir os 162 pontos do teste.

Lydia Sébastian é de Essex, em Inglaterra, e estuda num colégio feminino chamado Birkbeck College. A rapariga não escondeu o nervosismo no início do teste, mas depressa relaxou: “Quando comecei a preencher o teste percebi que era mais fácil do que estava à espera”, conta ao The Guardian.

Um dos objetivos mais imediatos deste teste é analisar a habilidade de raciocínio verbal. As capacidades linguísticas são testadas através de analogias, definições e exercícios sobre lógica. Lydia preparou-se para o exame durante um ano, mas as capacidades acima da média já vinham do passado: os pais contam que começou a falar aos seis meses e que tocava violino aos quatro anos.

Mas Lydia Sébastian não é a única criança a entrar nesta elite. Nicole Barr, também ele natural de Essex, conseguiu igualmente fazer parte da pequena percentagem de génios, ao lado de Aahil Jouher, com dez anos.

Faça um teste!

O The Guardian recolheu sete perguntas típicas que já foram publicadas nos testes Mensa. Tente responder. Depois consulte as respostas certas e saiba o seu nível de genialidade.

  1. Ordene as letras DUE CROP de modo a criar uma palavra com significado semelhante em inglês. Que palavra é?
  2. A seguir apresentamos-lhe alguns números. Junte três deles de cada vez para que a sua soma resulte em 60. Pode repetir números. Quantas combinações possíveis existem? Os números são: 2, 3, 5, 10, 15, 20, 25, 50.
  3. Pense em inglês! Há uma expressão com cinco letras que pode ser unida no final das palavras “push”, “arm”, “wheel” e “high” para formar uma nova palavra. Qual é?
  4. Continue no inglês. Preencha os espaços em branco na frase seguinte com uma palavra (em cada um dos espaços). Ambas as palavras têm de ter cinco letras. As duas palavras devem ser formadas com as mesmas cinco letras. The __ __ __ __ __ told his class that he had been __ __ __ __ __ fishing during the holiday.
  5. Que letra pode substituir o número desta pergunta?
  6. Que número está em falta nesta sequência? 4, 9, 16, 25, __, 49, 64, 81.
  7. Imagine que está a usar uma calculadora básica e que insere os números abaixo expostos. Cada espaço em branco representa um sinal matemático. Quando insere os números, deve substituir os espaços em branco por esses sinais, mas os sinais de soma, subtração, multiplicação e divisão só podem ser usados uma vez. Qual é o maior número que pode alcançar? 6 __ 2 __ 2 __ 4 __ 2

Respostas

  1. Palavra: PRODUCE
  2. Quatro: (20, 20, 20), (25, 20, 15), (25, 25, 10), (50, 5, 5)
  3. Expressão: CHAIR
  4. Tutor, trout
  5. V
  6. 36
  7. 18: 6 / 2 + 2 x 4 – 2

Acertou menos de quatro perguntas? Talvez não esteja na altura de se candidatar aos testes Mensa. Acertou entre 4 e 6 perguntas? Treine um pouco mais e talvez possa pensar nisso. Acertou entre 6 e 8 perguntas? É um génio! Pelo menos entre os comuns mortais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

Frango à Covan /premium

Paulo Tunhas

Para uma vasta parte da humanidade ocidental, nada há de mais apetecível do que um certo sentimento de culpa própria. Por estranho que pareça, esse sentimento comporta um notório benefício narcísico. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)