República Checa, Eslováquia, Hungria e Polónia recusaram unanimemente as quotas obrigatórias de divisão dos refugiados chegados à União Europeia (UE) e defenderam o “controlo efetivo” das fronteiras da UE.

“Concordámos que as medidas solidárias sejam voluntárias”, resumiu, durante uma conferência de imprensa, o chefe do governo checo, Bohuslav Sobotka, anfitrião da cimeira do Grupo de Visegrado, integrado por estes quatro países do antigo bloco soviético, que entraram na UE em 2004.

Sobotka referia-se à proposta da Comissão Europeia, impulsionada por França e Alemanha, de estabelecer quotas obrigatórias do n+úmero de refugiados com direito a asilo para os repartir no conjunto da UE.

Cerca de 300 mil pessoas chegaram este ano às fronteiras da Europa, cruzando no Mediterrâneo ou pela rota dos Balcãs, via Turquia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A maioria dos que transitam pelos Balcãs são refugiados da Síria, Iraque ou Afeganistão, que pretendem chegar à Alemanha.

Na declaração que assinaram, os primeiros-ministros defenderam “o caráter voluntário das mediadas solidárias da UE”.

Desta forma, a República Checa anunciou que vai acolher só 1.500 pessoas até 2017, o que compara por exemplo com os 70 mil esperados este ano na Áustria ou os 800 mil que a Alemanha se disponibilizou a receber.

Por seu turno, o primeiro-ministro eslovaco Robert Fico, garantiu que o seu país só quer receber 300 famílias, de preferência cristãs.