Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Na primeira sondagem de setembro, precisamente a um mês das eleições legislativas, nova aproximação entre PS e a coligação PSD-CDS: uma ligeira descida dos socialistas e uma ligeira subida da direita dão uma diferença, agora, de apenas um ponto: 36% para 35% – sendo no último inquérito de 1,5% (e de 4,5% em maio).

O Expresso anota que esta é a “menor diferença registada desde que Costa assumiu o lugar de António José Seguro”, com uma tendência já regular de perda para os socialistas e de ganho para os partidos no Governo. Mesmo noutras sondagens, feitas outras empresas, os dados indicam o mesmo. Só numa, até agora, se viu uma vantagem para a coligação (1%m na última da Católica para a RTP antes do verão).

Em popularidade, os dois líderes sobem quase o mesmo: 2,1 pontos para Costa, destacadamente o líder mais popular, 2% para Passos que entra agora em terreno positivo no balanço entre os que o aprovam e os que o rejeitam. A diferença entre os dois permanece elevada: de 22% para 1%. Portas é o segundo, com 11,1% de opiniões positivas.

Nota relevante, também para os comunistas: a CDU volta a ganhar terreno, mais 0,4 pontos percentuais, situando-se assim nos 10,4% – suficiente para passar os 20 deputados, numa circunstância normal. A confirmar-se daqui a um mês, isto significa que os comunistas recuperam o lugar de terceira força política, podendo tornar-se centrais na aprovação ou rejeição de diplomas na AR (face à ausência de uma maioria absoluta). Em sentido inverso, o Bloco de Esquerda desce os mesmos 0,4 pontos, colocando-se com 4,6% das intenções de voto. Jerónimo de Sousa e Catarina Martins debateram esta semana, sem confronto de ideias divergentes.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Indecisos: ainda muitos

Os dados revelados esta sexta-feira pelo site do Expresso mostram que o número de indecisos permanece igual ao do início de agosto, nos 21,1%.

Nota ainda para a popularidade. Costa é o líder que continua a registar o melhor saldo entre as opiniões positivas e negativas, mas Passos entrou este mês em terreno positivo, o que já não acontecia desde outubro de 2012.