Rádio Observador

Legislativas 2015

JS faz tiro ao alvo (literalmente) à Coligação no Algarve

2.573

Latas com fotografias de elementos da coligação PSD/CDS e bolas para que as pessoas possam atirar e derrubar as latas. É desta forma que o JS está a fazer campanha à porta do festival F, em Faro.

A campanha da Juventude Socialista ganhou uma nova dimensão no Algarve: uma espécie de tiro ao alvo, que recorre a bolas e a latas com fotografias de elementos da coligação PSD/CDS. Quem quer acertar e derrubar Pedro Passos Coelho ou Paulo Portas?

Cristóvão Norte, deputado do PSD, assistiu a tudo na entrada do festival F – um festival de música portuguesa, literatura, exposições e de stand-up comedy, em Faro. Incrédulo, tirou fotografias e contou o que viu no Facebook.

As campanhas negras são sinal de desespero. Ontem, no Festival F, em Faro, o PS adoptou esse registo. “Apedrejar” latas com imagens das principais figuras da coligação Portugal à Frente é deplorável e traduz uma campanha de insulto e ódio que contrasta tragicamente com o perfil tolerante que o PS sempre se arroga.

Nas fotos é possível ver uma pequena instalação com o slogan de António Costa, “Alternativa de Confiança”, e as latas com as fotografias coladas. Vários jovens tentam acertar no alvo e um deles festeja ter conseguido derrubar as latas. 

Entretanto, a Juventude Socialista já respondeu à denúncia do deputado do PSD. No respetivo perfil de Facebook, a JS Algarve publicou um post onde se pode ler que tudo não passou de uma “iniciativa lúdica” de modo a incentivar os jovens a votar nas próximas eleições, marcadas para o dia 4 de outubro:

Quem não tem propostas usa da má-fé e inventa casos. Uma iniciativa lúdica para chamar a atenção dos jovens para a importância das eleições legislativas. Um jogo tradicional: dez latas com as caras dos ministros, uma bola de esponja e um convite da JS: dia 4 de Outubro faz PAF ao Governo. Para Cristóvão Norte já não basta pedir aos jovens para emigrar, é preciso fazê-los perder a irreverência e a criatividade. ‪

js algarve

Imagem retirada do perfil de Facebook da JS Algarve

As imagens em questão chegam um mês depois de o Observador ter noticiado que o PS estava a ser acusado de fabricar as histórias dos cartazes da campanha, depois de Maria João — cujo rosto aparecia num cartaz junto da frase “Estou desempregada desde 2012” — ter afirmado que aquela história não era sua. A polémica fez com que os socialistas apresentassem formalmente um pedido “de desculpas públicas, em especial às pessoas implicadas”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)