Ciência

4 benefícios de ler um bom livro

4.463

Abstrair-se do mundo e ficar agarrado a uma boa narrativa já é, por princípio, uma vantagem sem igual. Mas também há recompensas físicas para quem lê, redução de stress incluída.

Oli Scarff/Getty Images

Quando foi a última vez que leu um livro? Não falamos de revistas ou de artigos disponibilizados nos habituais smartphones ou tablets, mas sim de livros de capa dura e papel ou em formato digital, com um princípio, meio e fim. A pergunta não vem por acaso, até porque a ciência já veio mostrar que o hábito de leitura tem benefícios físicos e psicológicos que o podem ajudar no seu dia-a-dia. Quer saber quais são?

Reduz o stress e ajuda a dormir melhor

Se calhar não é só de um banho quente ou de uns minutos de silêncio que precisa. Um estudo de 2009, conduzido pela Universidade de Sussex, nos EUA, mostrou que ler era a forma mais eficaz de superar o stress — sim, mais eficaz do que ouvir música, beber um chávena de chá ou dar um passeio. São as estatísticas que o comprovam: segundo a pesquisa citada pelo Business Insider, apenas seis minutos de leitura ajudam a reduzir o stress até 68%. A mesma publicação conta que os livros podem, assim, ajudar a combater as insónias. Nada como experimentar, não é?

Melhora a memória

O ato de ler ao longo da vida pode ser uma das receitas para manter o cérebro em forma na terceira idade, diz o Huffington Post, que recorda um estudo publicado em julho de 2013 no jornal Neurology. A pesquisa contou com a participação de 294 pessoas que faleceram, em média, aos 89 anos — aqueles que se envolveram em atividades capazes de estimular a mente (como ler), mais cedo ou mais tarde na vida, tinham um declínio de memória mais lento do que quem não tinha esses hábitos.

Mais, existem pesquisas que relacionam a leitura com uma probabilidade mais reduzida de vir a sofrer de Alzheimer. Desta vez, falamos de uma investigação divulgada na Proceedings of the National Academy of Sciences, em 2001, que defendeu que os adultos com passatempos que puxavam pelo cérebro — como ler ou fazer puzzles — tinham menos probabilidade de vir a ter a doença. No entanto, lembra o Huffington Post, os investigadores apenas identificaram uma ligação e não uma relação de causa-efeito.

“O cérebro é um órgão como todos os outros presentes no corpo. Envelhece consoante o uso que fazemos dele”, disse, então, o autor principal do estudo, Robert P. Friedland. “Tal como a atividade física fortalece o coração, músculos e ossos, a atividade intelectual fortalece o cérebro contra a doença.”

Torna as pessoas mais empáticas

Ficar preso ou agarrado a uma história é bom sinal. Não só porque o livro é do seu agrado, mas também porque a leitura do mesmo pode fazer de si uma pessoa mais empática. Uma pesquisa partilhada pelo jornal PLOS ONE mostrou, através de duas experiências distintas, que a empatia das pessoas era influenciada pela leitura de histórias ficionais (neste caso com o cunho literário de Arthur Conan Doyle e José Saramago) ao fim de uma semana. Mas tal só acontecia quando os leitores eram emocionalmente transportados para a narrativa em questão; a falta de ligação emocional às obras deixava as pessoas menos empáticas. A julgar pela investigação, tenha cuidado com o que escolhe ler.

Pode ajudar a aliviar a depressão 

Antidepressivos? Não, livros de autoajuda. Pelo menos é isso o que sugere um estudo publicado no jornal PLOS ONE e citado pelo Guardian. A investigação em causa veio mostrar que a leitura deste tipo de livros — combinada com sessões de apoio de modo a saber como usá-los –, estava associada a níveis mais baixos de depressão ao fim de um ano, isto por comparação com pacientes que receberam a terapia habitual (antidepressivos e acompanhamento psicológico).

Posto isto, está à espera de quê? Pegue num livro e perca-se na narrativa.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)