Legislativas 2015

Galamba: coligação usa “argumentação rasteira” sobre proposta do PS

1.534

João Galamba acusou hoje a coligação PSD/CDS-PP de "distorcer" de forma "grosseira e desonesta" a proposta do PS relacionada com a utilização do dinheiro do Fundo de Estabilização da Segurança Social.

DR

O deputado socialista João Galamba acusou hoje a coligação PSD/CDS-PP de “distorcer” de forma “grosseira e desonesta” a proposta do PS relacionada com a utilização do dinheiro do Fundo de Estabilização da Segurança Social.

“Esta é uma matéria demasiado importante para estar entregue à chicana política e a argumentações rasteiras e desonestas por parte da coligação”, declarou à agência Lusa João Galamba, após Marco António Costa acusar, no sábado, o PS de pretender usar parte do dinheiro do Fundo de Estabilização da Segurança Social, para fazer obras de construção civil, no âmbito da renovação urbana.

O dirigente do PS assegura que a afirmação de Marco António Costa é “falsa” e alerta que o que a coligação PSD/CDS-PP pretende fazer é entregar o dinheiro da Segurança Social a Fundos de Seguros privados e colocar “o dinheiro das pensões dos portugueses em jogos da bolsa”.

O PS – explicou -, em vez de investir esse dinheiro na bolsa em ações e obrigações, pretende investir esse dinheiro em ativos imobiliários que “já são da Segurança Social”, valorizando assim o património que pertence à Segurança Social.

Com isto – prosseguiu João Galamba – o PS fomenta política públicas de habitação, de rendas controlada, à semelhança do que foi feito no passado no bairro dos Olivais.

“Não se trata de gastar dinheiro, mas de reinvestir esse dinheiro no património da própria Segurança Social”, enfatizou.

João Galamba lembrou que esta coligação foi pioneira em criar um défice no sistema previdencial da Segurança Social, retirando milhares de milhões de euros por via do desemprego, emigração e cortes salariais.

O deputado socialista disse ainda ser falso que a proposta do PS, alvo das críticas de Marco Antóno Costa, crie um buraco de 14 mil milhões de euros e voltou a desafiar o vice-presidente do PSD para um “debate sério” sobre a Segurança Social, acusando a coligação de, essa sim, ter uma proposta “aventureira e irresponsável” para o sistema de pensões que passa pela privatização.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)