O Presidente dos Estados Unidos vai forçar todas as empresas com contratos com o Governo a oferecer aos funcionários sete dias pagos em caso de doença, um anúncio que coincide com a celebração do Dia do Trabalhador no país.

A medida, que Obama deve aprovar hoje por decreto, vai beneficiar 300.000 pessoas que trabalham para empresas com contratos com o Governo norte-americano e que, a partir de agora, podem desfrutar de sete dias pagos por doença, quando eles ou os seus familiares sofram de alguma doença, informou a Casa Branca em comunicado.

Em janeiro, durante o seu discurso anual do ‘estado da União’, Obama instou o Congresso a resgatar a classe média e impulsionar o crescimento económico com a aprovação de uma lei para obrigar todas as empresas com pelo menos 15 empregados a oferecer sete dias pagos em caso de doença por ano.

“Somos o único país avançado da Terra que não garante uma baixa paga por doença ou maternidade aos nossos trabalhadores. 43 milhões de trabalhadores não têm dias pagos em caso de doença. E isso força muitos pais a terem de fazer a terrível escolha entre um cheque em branco ou um filho doente em casa”, disse, na altura, Obama.

Hoje, Dia do Trabalhador nos Estados Unidos, Obama vai explicar mais pormenorizadamente a medida, num discurso em Boston, onde, segundo a Casa Branca, vai voltar a instar o Congresso a melhorar as condições dos trabalhadores sem acesso a uma baixa remunerada, que habitualmente são aqueles com remunerações mais baixas e que, exatamente por isso, não pode abdicar de um dia de salário.