Peter Ball é inglês e foi um bispo anglicano durante 15 anos. Deixou de o ser em 1992, está com 83 anos, mas só agora chegou à justiça inglesa uma acusação que o dá como suspeito de ter abusado sexualmente de, pelo menos, 19 rapazes. Os abusos, noticia esta terça-feira o The Guardian, terão ocorrido entre 1977 e 1992 e já eram do conhecimento da igreja, que abafou o caso durante anos.

Enquanto exerceu funções como bispo representante das regiões de Lewes e Gloucester, Ball terá abusado de rapazes entre os 13 e os 15 anos. Algumas das vítimas denunciaram o caso às autoridades, em 1993. Aí, contudo, ocorreram uma série de contactos entre a polícia inglesa, a igreja anglicana e a justiça que culminaram na decisão de, ao invés de julgar o bispo, avisá-lo para que não repetisse estes comportamentos.

Por isso, e mesmo apesar das “substanciais, admissíveis e credíveis provas”, escreve o mesmo diário britânico, os casos e subsequentes acusações foram abafados durante anos. Os abusos seriam até do conhecimento de George Carey, então arcebispo de Canterbury — posto mais importante da Igreja Anglicana. Tudo permaneceu assim até 2012.

Foi nesse ano que a igreja terá disponibilizado documentos à polícia inglesa, na sequência das várias investigações que, entretanto, se foram sucedendo. A nova informação conduziu à detenção de Peter Ball, que esta terça-feira admitiu, por fim, ter cometido dois crimes: improbidade em exercício de um cargo público e abuso sexual de quatro menores. A sentença do antigo bispo será conhecida a 7 de outubro.