A colocação destas pilhas gigantes destinam-se a evitar que estas, ao serem misturadas com os outros lixos, contaminem o ambiente pois contêm componentes tóxicos. Atualmente, em Portugal só menos de um terço das pilhas e baterias velhas são recolhidas nos Pilhões ou nos Ecopontos.

“Com este dia, pretendemos alertar para a necessidade urgente de colocar as pilhas usadas no Pilhão, evitando que sejam depositadas no lixo comum, no chão ou outros locais nada apropriados para um resíduo que contém componentes metais pesados altamente tóxicos, como o mercúrio, chumbo e cadmio”, disse esta terça-feira à agência Lusa o diretor geral da Ecopilhas.

A sociedade gestora de resíduos de pilhas e acumuladores vai assinalar em Portugal, na quarta-feira, o primeiro Dia Europeu da Reciclagem de Pilhas, juntando-se a outros países da Europa que pretendem sensibilizar a população para os perigos de deixar estes materiais nos sítios errados. “Estaremos pelos 28% de recolha deste tipo de resíduos, devia ser muito mais”, afirmou Eurico Cordeiro, recordando que as metas europeias “apontam para mais de 40% [45% este ano] e alguns países na Europa conseguem”.

A ação de sensibilização para o tratamento das pilhas e baterias usadas é coordenada pela associação europeia das entidades responsáveis pela gestão do fluxo de resíduos de pilhas e baterias, ou seja, pela recolha e reciclagem destes materiais, e integra a Ecopilhas.

Numa ação realizada em colaboração com a Câmara Municipal de Lisboa, “vamos reunir cerca de 20 pilhas gigantes, ‘pilhas humanas’, em representação dos diversos países europeus aderentes”, explicou o diretor geral da Ecopilhas. Juntas no Rossio, em Lisboa, as pilhas gigantes “vão manifestar-se de uma forma pacífica, procurando sensibilizar os cidadãos e comerciantes daquela área” e distribuir minipilhões, pequenas caixas verdes e vermelhas, onde os consumidores podem ir juntando este lixo para depois deixar no Pilhão.

A revitalização do projeto Pilhão de Bairro e o lançamento de uma aplicação para ‘tablet’ e ‘smartphone’, que ajudará os cidadãos a localizar o Pilhão mais próximo, são outras iniciativas a marcar o novo Dia Europeu da Reciclagem de Pilhas.

“Os metais pesados não desaparecem e acabam por ser ou ingeridos por animais ou [integrados] nas plantas e acabam na nossa alimentação”, explicou Eurico Cordeiro, realçando que através da reciclagem “são contidos e alguns são reaproveitados e deixam de colocar esses problemas”, como o chumbo que é de novo utilizado em baterias de automóvel.

As pilhas podem ser colocadas nos Pilhões, recipientes presentes nos super e hipermercados e em muitos Ecopontos espalhados por todo o país e em pequenas lojas de bairro.