Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As empresas internacionais, para se implementarem noutro país, têm sempre muito em que pensar. Mas na China há algo de essencial, sem o qual o sucesso não é provável: a escolha do nome.

Traduzir um nome para mandarim requer uma grande ginástica: é que a língua tem muitas palavras, cujos sons se assemelham. Escolher um nome que soe parecido ao original, e que transmita bem a identidade da empresa, torna-se assim um desafio difícil, mas sem o qual o sucesso pode ruir.

É que os nomes ingleses, por exemplo, podem ter um significado totalmente diferente em mandarim. As palavras “alto” e “café”, por exemplo, são pronunciadas da mesma forma: “gao”. E se isto já pode dar origem a muitos enganos, imagine-se uma tradução literal do nome de uma marca inglesa.

As palavras “café” e “alto” na China lêem-se da mesma forma: gao (Foto de China Photos/Getty Images)

Não faltam exemplos de empresas a escolher com grande cuidado o nome com que se apresentam na China. Veja-se a Coca-Cola, um dos casos onde a adaptação foi mais feliz: passou a “Kekou Kele”, que não só se assemelha ao nome original, como em chinês significa “divertimento delicioso”. Ou a Nike, que na China é “nai ke”, o que em mandarim se traduz como “resistência e perseverança”.

Loja da “nai ke”, em Beijing (China) (Foto de Feng Li/Getty Images)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O mesmo acontece com os bancos, que, para atrair os cidadãos mais ricos da China, escolhem um nome que em mandarim sugira riqueza e prosperidade. A Goldman Sachs, por exemplo, chama-se na China “Gao Sheng”, que significa “altamente próspero”. E o banco londrino HSBC é conhecido na China como “Hui Feng”, cuja tradução literal é “abundância reunida”.

Sede do banco londrino HSBC – ou, em chinês, “Hui Feng” -, em Hong Kong (Foto de AFP/Getty Images)

O CEO da Labbrand, uma companhia que ajuda as empresas estrangeiras a ser bem sucedidas na China, também não tem dúvidas e corrobora, à CNN, a importância da escolha de um nome adequado. Vladimir Djurovic não tem dúvidas: “É importante o nome estar próximo do público-alvo, e ser [de compreensão] acessível”. E pode levar ao sucesso ou… ao insucesso.