Rádio Observador

Mundo

As reações de uma tribo indígena ao ver pela primeira vez um filme

105

Cerca de 500 indígenas que vivem numa comunidade em Nabusimake, na Colômbia, assistiram pela primeira vez a um documentário, mostrando-se entusiasmados com uma realidade tão diferente da sua.

Camilo Rozo

Foi em Nabusimake, no norte da Colômbia, que 500 indígenas locais olharam pela primeira vez para uma tela gigante e tiveram contacto com o cinema. A aldeia é povoada pela comunidade Arawak, que vive em casas de barro com bases de pedra.

Há vários meses, conta o El País, que a sessão de cinema vinha a ser preparada pela Ambulante, uma Organização Não Governamental (ONG). Domingo foi o dia escolhido para mostrar o documentário que explorava as paisagens colombianas e zonas selvagens desconhecidas. A tela brilhante surpreendeu o povo, apenas habituado ao brilho do sol e da lua. Adultos e crianças ficaram animados com a novidade.

As pessoas falam pouco e a calma é a palavra de ordem, numa comunidade em que a maior parte não percebe castelhano e utiliza uma língua própria para comunicar.  Será difícil encontrar algum tipo de veículo em Nabusimake, onde, também, nunca nenhum dispositivo tecnológico chegou. Não existe luz na aldeia, de tal modo que as crianças ficaram muito espantadas com a quantidade de fios instalados para o ecrã gigante funcionar. Aproximavam-se a medo, embora sempre atentas ao que estava a acontecer.

Embora nunca tivessem estado perante imagens gravadas e refletidas num ecrã, a comunidade parecia compreender o que estava a ver. As filmagens mostravam a fauna e a flora do país, percorrendo rios e uma grande variedade de florestas, através de imagens gravadas com drones.

O ecrã gigante veio agitar o quotidiano dos Arawak, habituados à tranquilidade dos seus dias. Seidi é um dos líderes da comunidade que, embora conte que é feliz com a paz dos seus dias, mostrou-se interessado nesta nova experiência, que lhe permitiu perceber como é que os outros vivem.

A serenidade foi regra durante a exibição do filme. Os índios Arawak, sentados sobre várias pedras assistiram quase paralisados ao filme, soltando algumas gargalhas e risos. Depois de uma hora bateram palmas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)