Rádio Observador

Crime

Suspeito de atear fogo a casa da ex-companheira remete-se ao silêncio

Homem suspeito de atear fogo a anexos onde vivia a ex-companheira ficou em silêncio no início do julgamento, que decorreu no Tribunal de Aveiro.

Suspeito é acusa de um crime de incêndio e dois de violência doméstica

Le Pays d'Auge

Um homem de 23 anos suspeito de ter ateado incêndio a uns anexos, em Esmoriz, Ovar, onde vivia a ex-companheira, juntamente com dois filhos menores, remeteu-se hoje ao silêncio, no início do julgamento no Tribunal de Aveiro.

Além de um crime de incêndio, o arguido está acusado de dois crimes de violência doméstica contra a ex-companheira e um filho de cinco anos, fruto de um relacionamento anterior.

O caso ocorreu em outubro de 2013, dois meses depois de a ofendida ter terminado o relacionamento com o arguido, que durava há cerca de três anos, saindo da casa onde ambos residiam.

Durante a primeira sessão do julgamento, o coletivo de juízes ouviu as declarações da ofendida, que acusou o ex-companheiro de ter infringido maus tratos físicos e psíquicos a si e ao filho mais velho, durante o tempo em que viveram juntos.

“Ele batia-me com pontapés e murros e obrigava-me a dormir no chão. Uma vez, depois de me agredir, tirou-me as chaves de casa e saiu, deixando-me trancada com os meus filhos para não pedir ajuda”, relatou a mulher.

A ofendida referiu ainda que depois de ter saído de casa, recebeu várias mensagens anónimas por telemóvel, com ameaças de morte.

Segundo a acusação do Ministério Público, o suspeito tomou conhecimento da nova morada da ofendida e, na tarde do dia 10 de outubro de 2013, deslocou-se ao local e “pegou fogo a umas listas telefónicas que largou para o interior dos anexos”.

As chamas propagaram-se às portas e paredes dos anexos e originaram a derrocada da cobertura, destruindo todo o recheio da casa.

De acordo com os investigadores, o incêndio só não atingiu maiores proporções devido à rápida intervenção dos bombeiros que evitaram que o fogo alastrasse a outras habitações circundantes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Feminismo

Liberdade p/assar /premium

Alberto Gonçalves
628

O descaramento do MDM e associações similares é infinito. Uma coisa, já de si irritante, é a sensibilidade contemporânea a matérias tão insignificantes que não ofenderiam o antigo arcebispo de Braga.

Natalidade

Como captar os votos de um jovem casal?

Ricardo Morgado

O nascimento de uma criança altera, complemente, a vida de um jovem casal. Para que tal aconteça mais vezes, é essencial que o Estado saiba responder às suas necessidades e a algumas urgências.

Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita
305

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)