Fotografia

A máquina que obriga a tirar fotografias originais

308

Há monumentos e paisagens que são fotografados diariamente milhões de vezes nos mesmos ângulos. A Camera Restricta, um protótipo criado por Philipp Schmitt, pretende acabar com essa repetição.

Autor
  • Tiago Pais

Farto de ver as mesmas fotografias tiradas por pessoas diferentes nos quatro cantos do mundo, o designer alemão Phillip Schmitt desenvolveu um conceito curioso, a Camera Restricta, que descreve, em tradução livre, como uma “ferramenta desobediente para tirar fotografias únicas“.

O protótipo consiste num smartphone com GPS e ligação à internet e um corpo de máquina fotográfica criado numa impressora 3D. O modelo de funcionamento é relativamente simples: a máquina liga-se a redes como o Flickr e o Panoramio para contabilizar o número de fotografias tiradas no local em que está a ser utilizada. Se demasiadas fotos já tiverem sido tiradas num espaço de aproximadamente 35 metros quadrados, o botão de disparo retrai automaticamente e uma cruz vermelha surge no ecrã.

restricta-viewfinder-no

Eis o que acontece quando se tenta reproduzir uma fotografia demasiado popular. (DR)

Quando o utilizador se aproxima de uma zona especialmente frequentada para tirar fotografias, a câmara também emite um aviso sonoro, que se vai tornando mais intenso à medida que mais registos fotográficos vão sendo contabilizados no mesmo local.

Esta Camera Restricta não é, contudo, um produto comercial, pelo menos para já. O que seu criador pretendeu foi, sobretudo, incentivar a reflexão sobre como a facilidade no acesso à fotografia resultou numa corrente infinita de imagens repetidas. O que não quer dizer que a ideia venha a morrer: segundo Schmitt ela poderá até surgir, no futuro, enquanto aplicação, para que se possa recuperar a sensação de ser a primeira pessoa a fotografar determinada paisagem ou objeto.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)