Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Qual é a melhor forma de “apanhar” um mentiroso em flagrante? A pergunta já teve várias respostas ao longo da História. Para muitos, a melhor maneira ainda é procurar os sinais físicos das mentiras: a face a corar, o riso nervoso, os olhos “inquietos” que revelam desconfiança e receio. Em suma, todos os sinais de desconforto que estão relacionados com o ato de contar uma mentira.

Mas esta técnica é cada vez menos popular, devido à publicação de estudos que apontam como ínfima a probabilidade de desmascarar um mentiroso através da deteção desses sinais. A ideia é corroborada à BBC por Thomas Ormerod, um professor da Universidade de Sussex (Inglaterra). Segundo Ormerod, “Há provas bastante claras de que não existem sinais que distingam o acto de dizer verdades e de dizer mentiras, em que se possa confiar totalmente”.

Foi também por isto que Ormerod decidiu testar um novo método. O professor universitário montou uma equipa de seguranças e incumbiu-a de entrevistar passageiros em aeroportos europeus, para conhecer os motivos das suas viagens. Ao mesmo tempo, “plantou” um conjunto de pessoas (em média, 1 em cada mil entrevistados) com histórias falsas, que os seus guardas teriam de ser capazes de identificar.

O sucesso foi significativo: na maioria dos casos, os seguranças conseguiram mesmo desmascarar os “falsos mentirosos”. E o seu método, aparentemente tão eficaz, é, na realidade, bastante simples. Ormerod pediu aos seguranças para, em vez de se focarem nas expressões corporais das pessoas, se focarem antes no que dizem. Isto deu a Ormerod uma taxa de sucesso 20 vezes maior que a de quem procura nas expressões físicas um sinal de mentira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Estas são algumas das dicas que mais probabilidades lhe dão de “apanhar” um mentiroso.

1. Usar questões abertas – Esta técnica obriga o possível mentiroso a desenvolver as suas mentiras. Resultado? Muito provavelmente, vai acabar por entrar em contradições e, portanto, se denunciar.

2. Usar elementos de surpresa – Fazer perguntas inesperadas, que possam confundir o entrevistado, pode ser-lhe muito útil: o mentiroso pode perder-se na sua própria mentira. Outra técnica pode ser fazer perguntas sobre eventos do passado: é possível que, sendo obrigado a inventar rapidamente uma história, o mentiroso se atrapalhe, e denuncie a mentira.

3. Estar atento aos pequenos detalhes, que possam ser verificados – Imagine que alguém lhe diz que trabalha numa universidade conceituada. Peça-lhe, então, para descrever como é o seu caminho diário até ao trabalho, e que percurso leva. Depois, poderá verificar se a história é verdadeira ou se não passa de um embuste.

4. Estar atento à confiança do seu inquirido – A zona de conforto de alguém que quer esconder alguma coisa tende a ser pequena. Quando o discurso de um mentiroso foge ao “guião” que trazia preparado, a sua confiança pode baixar. E as contradições podem surgir.

5. Perguntar diretamente: quão honestos estão a ser? – Depois desta pergunta, até os mentirosos mais capazes vão parecer evasivos: quando sentem que desconfiam de si, vão falar o menos possível, para que as suspeitas não se confirmem. Quem diz a verdade, pelo contrário, dará a maior quantidade de informações possível, para que as suspeitas se dissipem.