Ficou-se a saber, no sorteio da Liga dos Campeões, que o Benfica iria realizar a mais longa viagem da história das competições europeias. O destino: Astana, Cazaquistão. É com a equipa local que os encarnados fazem amanhã, terça, a estreia na Liga dos Campeões (os cazaques chegaram domingo a Lisboa). O segundo jogo, esse, está marcado para 23 de novembro. Muitos não sabem sequer onde fica esta cidade. Só que é longe. Mas à capital do Cazaquistão só faltam os carros voadores e os polícias robots para ser o cenário perfeito de um filme futurista.

No Cazaquistão, o país da personagem Borat, interpretado pelo humorista Sacha Baron Cohen, está a única capital do mundo construída em pleno século XXI. Esta cidade já teve vários nomes, como Akmolinsk entre 1824 e 1961, Tselinogrado entre 1962 e 1991 e Akmola entre 1992 e 1998. Em 1997 tornou-se a capital do país e recebeu o atual nome de Astana, no ano seguinte, que significa “capital” no idioma cazaque.

Esta cidade é verdadeiramente a visão de um só homem: Nursultan Nazarbayev, o presidente do Cazaquistão. Este foi o único Presidente que o país conheceu desde a independência conquistada em 1991 depois da queda da União Soviética. Já este ano Nazarbayev foi reeleito conquistando 97,7% dos votos.

Os milhares de milhões de dólares que chegam dos barris de petróleo e gás, descobertos no país, e com uma população de apenas 16 milhões de pessoas, num país que tem uma área maior do que toda a Europa Ocidental, permitiram a construção de uma capital onde tudo é gigantesco e construído pelos melhores arquitetos do mundo.