Mudar os tratados europeus, introduzir moedas paralelas ao euro, acabar com o tratado orçamental. Um grupo de políticos da esquerda europeia, entre eles os polémicos Yanis Varoufakis e Zoe Konstantopoulou, uniu-se para pedir mudanças numa Europa que, dizem, só gera violência dentro e entre os países, e convocaram uma cimeira internacional para novembro.

A iniciativa conjunta de Jean-Luc Mélenchon, ex-ministro francês e fundador do Partido de Esquerda, de Stefano Fassina, que chegou a ser vice-ministro do Governo de Enrico Letta em Itália, de Oskar Lafontaine, ex-ministro das Finanças da Alemanha na década de 90 e que sai do SPD para o Die Linke, e dos gregos Yanis Varoufakis, ex-ministro das Finanças, e Zoe Konstantopoulou, presidente do Parlamento grego, ataca as decisões da Europa, em especial em relação à Grécia.

Os subscritores consideram que a Europa colocou a Grécia de joelhos, que o programa da troika constitui, a seu ver, um golpe de Estado financeiro, e que a União Europeia se transformou numa agente de defesa da extrema direita.

Entre as reivindicações do grupo está a reformulação dos tratados europeus, com o fim do tratado orçamental e a oposição ao tratado de comércio com os Estados Unidos. O grupo defende que o Eurogrupo tem de passar a ser responsabilizado pelas suas decisões, com a ideia de que o Banco Central Europeu é de facto independente, algo que não consideram ser verdade.

O grupo pretende ainda que sejam discutidas alternativas ao euro, como a introdução de sistemas de pagamento paralelos, moedas paralelas ao euro e até a saída da zona euro. Para discutir estas opções, estes cinco políticos convocaram a realização de uma cimeira internacional que deve acontecer em novembro deste ano.