A economia deverá crescer 1,6% este ano e 1,7% em 2016, de acordo com as últimas projeções divulgadas pela agência Bloomberg. Estes números, que resultam da consulta a um grupo de 25 economistas, revêm em baixa ligeira as anteriores previsões que antecipavam uma subida do produto interno de bruto (PIB) de 1,7% este ano, igual à do Banco de Portugal, e de 1,8% no próximo ano.

A revisão em baixa de 0,1 pontos percentuais estende-se ainda a 2018, ano em que Portugal deverá crescer 1,5%. O painel consultado considera que há apenas uma possibilidade de 5% da economia nacional entrar em recessão nos próximos 12 meses. Este inquérito foi conduzido entre 4 e 11 de setembro.

Já as previsões para a evolução do desemprego são agora mais favoráveis. Os economistas antecipam que a taxa de desemprego média este ano vai cair para 12,6%, contra 13,2% da anterior projeção. Esta evolução mais positiva prolonga-se por 2016 e 2017, ano em que a taxa média de desemprego deverá baixar para 11,2%.

Já a previsão para o défice público mantém-se para este ano, que os economistas ouvidos pela Bloomberg confirmam as estimativas das instâncias internacionais de que Portugal vai falhar a meta dos 3%, ficando o saldo negativo em 3,1% do Produto. A expetativa para a evolução do défice melhora para 2016 e 2017, anos em que o défice deverá atingir os 2,5% e 1,9% do PIB, respetivamente.