O presidente do Comité organizador dos Jogos Olímpicos Rio2016, Carlos Nuzman, garantiu hoje que a competição não será afetada pela crise económica e política que o país atravessa, garantindo que tudo estará pronto a tempo.

Em entrevista à agência noticiosa AFP, Carlos Nuzman rejeitou “em absoluto” a ideia de que a competição, que decorrerá entre 05 e 21 de agosto, possa ser afetada pelas previsões de recessão e inflação alta e pela crise política, na qual grupos de oposição defendem a impugnação do mandato d presidente Dilma Rousseff.

“A crise não mudou nada, nem em termos de trabalhos, nem na preparação dos atletas brasileiros. Tudo está dentro dos prazos previstos”, disse Nuzman, que também preside ao Comité Olímpico do Brasil.

Nuzman assegurou que está a ser feito um esforço enorme para despoluir a baía de Guanabara, onde deverão realizar-se as competições de vela, e que os testes feitos recentemente “não revelaram a existência de bactérias perigosas”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O presidente do comité organizador referiu que os eventos-teste realizados há cerca de um mês foram um sucesso e negou a existência de um plano B para transferir as competições para Búzios.

No que se refere às ambições desportivas, Carlos Nuzman admitiu que o Brasil ambiciona um lugar entre os 10 primeiros no ‘medalheiro’ e para isso foram investidos na preparação de atletas 700 milhões de reais (cerca de 163 milhões de euros).