O líder do Partido Comunista Português, Jerónimo de Sousa, foi o primeiro convidado do programa de sátira política “Isso É Tudo Muito Bonito, Mas” da TVI, conduzido por Ricardo Araújo Pereira (RAP), com Miguel Góis e Zé Diogo Quintela, membros dos Gato Fedorento.

O programa esmiuçou a semana em que o debate entre Passos Coelho e António Costa bateu recordes de audiência, mas que deixou muitos sem saber, sequer, o que significa plafonamento. O registo é humorístico, as questões são sérias, as respostas… foram espontâneas.

“Plafonamento horizontal  ou vertical? – Isso deve ser qualquer coisa sexual…”, foi disseram duas raparigas, questionadas por um repórter de rua.

Definições à parte, RAP prometeu (e cumpriu) simpatia nas perguntas a Jerónimo, mas o sentimento não se estendeu ao primeiro-ministro. Foi aliás, encontrada a mais dura adversária de Passos Coelho até ao momento,  “uma senhora vestida de cor-de-rosa” (uma popular com quem falou numa ação de pré-campanha em Oeiras), que rebateu com visível acrimónia os comentários do primeiro-ministro.

Sobre o polémico debate ‘quem trouxe a troika‘, para o líder a conclusão é “ninguém queria ser o pai da criança”, disse Jerónimo com recurso ao repertório da música popular.

Como prometido logo ao ínicio, o tom manteve-se descontraído e ligeiro. “Há uns anos fazia um figurão em qualquer de revista, agora já não” e “nu só perante o duche”, porque “bem-comportadinho é fundamental”, respondeu o líder comunista sobre se posaria como fez Joana Amaral Dias para uma capa de revista.

Entrando por temas mais sérios, RAP até aproveitou para entrar pela macroeconomia (mas ficou na ante-camâra). “O problema não está em quem compra, está em quem vende”, disse Jerónimo de Sousa sobre a venda da EDP aos chineses da Three Gorges, justificando o porquê se serem um “partido patriótico”.

A pergunta “mais complicada” segundo RAP, ficou para o fim, e versou sobre o acordo entre PCP/PSD na autarquia de Loures, cujo presidente é Bernardino Soares. Jerónimo garantiu que o exemplo não se repetirá no plano legislativo, considerando que o acordo “foi eficiente para a gestão da câmara” e “bons autarcas há em todos os partidos”.

“Isso É Tudo Muito Bonito, Mas” Jerónimo já foi, e Catarina Martins é a convidada que se segue.