O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, anunciou esta terça-feira à tarde que algumas medidas para regulamentar os tuk-tuk na cidade vão entrar em vigor “ainda este mês”. Falando na assembleia municipal, o autarca destacou quatro normas, entre elas a limitação da circulação destes veículos turísticos ao período entre as 9h e as 21h.

“Falámos há pouco sobre a importância do regulamento dos tuk-tuks e queria anunciar que parte importante das decisões desse regulamento serão antecipadas por despacho e ainda este mês entrarão em vigor”, disse o presidente da câmara, referindo-se a uma recomendação aprovada pela assembleia que pede, uma vez mais, regras para esta atividade. As quatro medidas anunciadas por Medina foram:

  • Todos os tuk-tuks terão de ser obrigatoriamente elétricos a partir de 1 de janeiro de 2017
  • Estes veículos só poderão circular entre as 9h e as 21h
  • Algumas zonas estarão interditas aos tuk-tuks, nomeadamente as com ruas mais estreitas
  • Serão definidas as zonas de estacionamento e as zonas de tomada e largada de passageiros

Todas estas medidas já estavam prometidas há algum tempo, mas a sua concretização ainda não tinha prazo. O presidente da câmara não adiantou, contudo, quando é que a versão completa do regulamento estará pronto. O deputado municipal do PCP, Modesto Navarro, notou-o, e criticou Medina por “só agora” apresentar soluções.

Campo das Cebolas em mudança

Na mesma intervenção, que precedeu o debate sobre a atuação da câmara durante junho, julho e agosto — que ainda decorre –, Medina anunciou ainda que o Campo das Cebolas é o próximo local da frente ribeirinha a ter obras. Os trabalhos para a criação de um parque de estacionamento já decorrem e serão intensificados durante o mês de outubro, disse Medina, acrescentando que se seguirão as obras de transformação daquela praça.

O projeto de requalificação do Campo das Cebolas é da autoria do arquiteto João Carrilho da Graça e foi apresentado publicamente em 2013. Na altura, a autarquia já admitia que os trabalhos só se pudessem iniciar durante 2015.