A turbulência na economia chinesa está a ter impactos na economia mundial e vai fazer com que o grupo das principais economias cresça menos, calcula a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Na sua mais recente atualização das projeções para as 20 maiores economias do mundo, a OCDE alerta que o principal risco à retoma passou a ser a China. A revisão é para já curta, esperando a OCDE que este grupo de economias cresça em média 3% e não 3,1%, enquanto no próximo ano passa a 3,6%, e não os 3,8% projetados anteriormente.

Os problemas com a economia chinesa surgem numa altura em que a economia da zona euro está a crescer menos do que se esperava que acontecesse, uma vez que tem os baixos preços do petróleo, as baixas taxas de juro e o euro mais baixo a seu favor, nota a OCDE.

Já sobre os Estados Unidos, a maior economia mundial, a OCDE diz que apesar da sua força já justificar um aumento nas taxas de juro de referência pela Reserva Federal, esta subida tem de ser gradual e lembra que a robustez da economia norte-americana não chega para melhorar as perspetivas no resto do mundo.