Um relatório da World Wide Life (WWF) revela que a população marinha diminuiu cerca de 49% entre 1970 e 2012.

Os dados são preocupantes. Além do número de espécies vertebradas marinhas ter diminuído, as espécies de peixes que são pescadas para serem comercializadas também caíram para metade. Os ecossistemas marinhos estão em perigo, estimando-se que até 2050 desapareçam todos os recifes de corais.

As alterações climáticas têm de facto agitado os oceanos e provocado mudanças drásticas. As emissões de dióxido de carbono aumentaram e motivaram o aparecimento de fenómenos climáticos extremos como a alteração das correntes oceânicas, aumento da temperatura e dos níveis de acidez, agravando a degradação do habitat e da poluição. Mas não são as únicas razões. A intervenção humana também tem prejudicado a população marinha.

“No espaço de uma geração, a atividade humana danificou gravemente o oceano ao apanhar peixe mais depressa do que este se consegue reproduzir, ao mesmo tempo que destruiu os seus viveiros”, disse, em comunicado, o diretor da WWF, Marco Lambertini.

A organização WWF alerta para a necessidade de preservação dos oceanos, relembrando a importância de um consumo mais sensato, para que seja possível assegurar a sustentabilidade dos mares.