A Presidente brasileira, Dilma Rousseff, afirmou que querer utilizar o descontentamento gerado pela crise económica para chegar ao poder é uma “versão moderna de golpe”, em entrevista a uma rádio no interior de São Paulo.

“De todos os países que passaram por dificuldades, você não viu nenhum propondo a rutura democrática como forma de saída da crise. Esse método, que é querer utilizar a crise como um mecanismo para você chegar ao poder, é uma versão moderna do golpe”, disse Rousseff à emissora Comercial 1440 AM.

A Presidente afirmou também que o país tem “solidez institucional” e que as pessoas que usam a crise para obter poder “torcem para o ‘quanto pior melhor’ em todas as áreas – na economia, na política. Todas elas esperando uma oportunidade para pescar em águas turvas”, referiu a Presidente na entrevista, divulgada pelo Governo brasileiro.

Rousseff tem uma baixa popularidade e aprovação, quando o Brasil passa por uma crise política e económica, e parlamentares de oposição ou membros descontentes da coligação do Governo pedem a impugnação do seu mandato.

Na entrevista à rádio, a Presidente defendeu que o atual momento brasileiro requer “união”, e que o país é “maior” que as notas das agências de notação financeira. Na semana passada, a Standard & Poor’s baixou o “rating” da dívida do país para a classificação “lixo”.