Manfred Schmidt, responsável alemão pelo gabinete federal para as migrações e os refugiados, demitiu-se esta quinta-feira. A demissão acontece numa altura em que o país tenta perceber como pode lidar com a migração em massa que está a chegar ao país.

De acordo com a Reuters, Schmidt tem sido criticado pela forma como está a gerir o número recorde de pessoas que pedem asilo à Alemanha. A primeira economia europeia é o destino escolhido pelos sírios que fogem da guerra civil, mas também de afegãos, iraquianos e paquistaneses. O país espera receber entre 800 mil e um milhão de pessoas este ano. Só na quarta-feira entraram 9.100 migrantes.

O Ministério do Interior confirmou a demissão, justificada por “razões pessoais”. As críticas podem agora abater-se com mais intensidade sobre o próprio ministro, Thomas de Maiziere. “O ministro do Interior lamenta a perda do responsável de uma autoridade que fez um excelente trabalho”, reagiu a tutela em comunicado.

“O gabinete federal para as migrações e os refugiados está ciente da situação política atual. O crescimento dramático do número de requerentes de asilo na Alemanha coloca enormes desafios ao gabinete, bem como aos Estados e municípios alemães.”

No domingo, a Alemanha restabeleceu os controlos na fronteira com a Áustria. Esta quinta-feira anunciou que vai estender a medida excecional à fronteira com a República Checa, de modo a “impedir os traficantes de seres humanos e lidar melhor com o fluxo crescente de requerentes de asilo”.